Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Amado ou mal amado

Quando hoje cheguei a casa tinha na caixa de correio o livro que aqui apresento. Já há algum tempo que pretendia meter-me numa experiência com o filósofo alemão, após a insistência durante a licenciatura. Estava mesmo interessado se existiria alguma boa introdução a Heidegger moderna que primasse pelo rigor da exposição. Não li ainda o livro todo, mas serviu para uma pausa entre tanta crítica e comentários a manuais escolares. Ao final da tarde, passeando o meu bebé de 5 meses, sentei-me numa esplanada, pedi um café e comecei a ler o livro. O que pude concluir? Que a exposição é realmente clara e toca no limite os principais pontos da filosofia do pensador alemão desde o Ser ao Dasein passando pela linguagem, verdade, tempo, morte, temporalidade, transcendência, consciência, entre outros. A exposição é muito curta (o livro tem 150 páginas) mas eficaz para colocar o leitor perante a obra daquele que é considerado por muitos o maior pensador do século xx. Pude também notar, pelas páginas lidas que, apesar da clareza da exposição, a filosofia de Heidegger é realmente obscura, mas o livro é de todo recomendável para quem já perdeu algumas das leituras centrais do autor. Mas, ainda com a minha mente a pairar sobre tantos comentários aos manuais não pude deixar de notar a afinidade que muita filosofia praticada em Portugal, mesmo no secundário, bebe da influência heideggeriana e pensei de imediato se seria justo acusar a filosofia nacional e alguns manuais de teoria da conspiração tal como alguns leitores tem acusado alguns manuais? Claro que não. Essa ideia parece-me de imediato tola. Heidegger é um pensador que tem o seu lugar e é um autor de difícil acesso, pelo que tomá-lo como influência para a filosofia no secundário só pode dar em tolice. Trata-se de um autor, como muitos outros, que exige uma especialização mais aprofundada em termos filosóficos uma vez que exige o domínio de um léxico pouco comum aos jovens. Mas é um autor complexo não só pela linguagem usada como também pelas ideias, tomadas por uns como inovadoras e, outros, como charlatanice. É, acima de tudo, um filósofo controverso e que merece, obviamente, a nossa atenção enquanto pensador influente no século xx. Michael Inwood é professor de filosofia no Trinity College em Oxford e publicou vários estudos sobre Hegel e Heidegger.
Michael Inwood, Heidegger, a very short introduction, Oxford, 1997

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D