Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Quando a arte é bela, é bela para todos?

Um dos problemas da filosofia da arte começa quando pressupomos que o gosto é uma questão inteiramente subjectiva. Se os quadros de Paula Rego são ou não belos é uma questão de apreciação pessoal e assunto arrumado. Mas será que, quando olhamos para uma obra de arte, nada mais está lá do que o que conseguimos ver? Um sujeito muito mal formado jamais verá mais do que traços aleatórios numa tela de arte abstracta, ao passo que um outro com maior cultura e formação, vê algo mais na mesma obra. Se a arte fosse uma questão somente dependente da subjectividade, como seria uma obra aos olhos, por exemplo, de um porco?  
                                                                                              Rolando Almeida

O porco não deve ver beleza alguma no mosteiro dos Jerónimos, mas qualquer ser humano vê lá alguma coisa. Uma pessoa sem formação em química não vê átomos na realidade, mas um químico pelo menos compreende que a realidade é, antes de tudo, atómica. Mas será que a realidade deixa de ser atómica por um sujeito que não entende química não conseguir ver na realidade os átomos? Da mesma forma, uma obra de arte não deve deixar de ser bela se um sujeito não conseguir admirar a sua beleza. A ser assim quererá isto significar que a beleza não deixa de lá estar presente – na obra – se não a conseguirmos ver. Talvez seja necessária educação estética para aprender a ver a beleza onde não a conseguimos ver. Talvez até uma escola que ensine as artes e não as despreze seja uma boa escola na educação global de um sujeito. Quereria isto significar que a beleza das obras de arte poderia ser captada por todos os sujeitos se estes fossem educados a vê-la, a contemplá-la. Esta hipótese não é de deitar fora.
Existem duas saídas possíveis para o problema da objectividade da beleza na obra de arte. A primeira das saídas chama-se subjectivismo estético e a segunda saída, objectivismo estético. Por subjectivismo estético entende-se a teoria que defende que a beleza depende dos olhos de quem vê ou sente a obra, ao passo que por objectivismo entende-se que a beleza está na própria obra, muito para além dos olhos de quem a vê. Assim, segundo a teoria objectivista, quando sentimos emoção ao ouvir uma canção só o sentimos porque a canção é realmente emocionante. Significa que, ainda que um sujeito não sinta qualquer emoção (como eu com a música de Sting), a canção é, ainda assim, emocionante. Resta saber quem determina que a canção é realmente emocionante. Mesmo que esta hipótese nos pareça estranha (tal como eu acho estranho que alguém diga que sente emoção ao ouvir Sting), não podemos desconsiderá-la completamente, até porque a saída que ainda nos resta, o subjectivismo, está também imbuída em objecções fortes. Entre as principais objecções ao subjectivismo encontramos aquela que nos indica que, se afinal tudo não passa de gostos pessoais e subjectivos, que razões temos para discutir o gosto, por exemplo, sobre a música da Madona?Não faz qualquer sentido a discussão para além de anunciar que se gosta ou não e ponto final. E que razões há para dizer que a música pimba é de mau gosto? Ou, ainda, que razões temos para dizer que o equipamento suplente do Benfica, que é cor de rosa, é feio? É que, como já disse, tudo não passa de uma apreciação pessoal sem discussão possível.
O objectivismo estético é um dos problemas centrais da filosofia da arte e, para ele concorrem muitas teorias de filósofos, nomeadamente os contemporâneos, uma vez que a arte do sec. XX relança a questão sobre a beleza da obra de arte, com o aparecimento das obras conceptuais como o urinol, “a fonte” de Duchamp ou os famosos “4”33`” de silêncio de John Cage.
Uma boa fonte para quem pretende iniciar-se neste problema da filosofia da arte é o recente volume, O que é a arte? A perspectiva analítica, Dinalivro, 2007, organizado por Carmo D`Orey reunindo traduções de textos essenciais de autores como Clive Bell, Arthur Danto, Jerome Stolnitz, Morris Weitz e Nelson Goodman.
Algum conhecimento menos técnico sobre o problema pode ser encontrado em Nigel Warburton, Elementos básicos de filosofia, Gradiva, 2007 (2ª ed.)


7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D