Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Diálogos Sobre a religião Natural - O argumento do desígnio

O problema dos argumentos em favor da existência de Deus é, por natureza, um problema filosófico e tem cabido aos filósofos discuti-lo. Vários são os argumentos em disputa argumentativa, sendo que um dos mais pertinentes é o argumento do desígnio. Desde os filósofos gregos que este problema é colocado, sendo que só não mereceu discussão mais livre durante o período medieval, precisamente aquele em que as peias da civilização eram determinadas pela instuituição católica. Durante este período a discussão estava presa dos preceitos da inquisição e ainda hoje é um problema recorrente que não deixa de apresentar um confronto muitas vezes chocante com as nossas crenças mais básicas. O argumento do desígnio tem muitos contornos interessantes de se examinar e discutir, sendo dos que mais facilmente se compreende, é a analogia que ele envolve. Podemos formalizá-lo da seguinte forma:
As casas têm um criador
Os seres vivos são como as casas
Logo, tal como as casas, também os seres vivos têm um criador
Esse criador é Deus.
Nos Diálogos sobre a religião natural, David Hume discute este argumento em favor da existência de uma entidade necessária. Para Hume esta analogia é fraca, uma vez que não podemos estabelecer analogia forte entre a criação de um objecto e a criação do universo. Na verdade normalmente comparamos objectos porque possuímos outros objectos para comparar. Mas como tornar essa analogia possível para com o universo? Só se conhecêssemos outros universos. Acontece que não conhecemos outros universos como conhecemos casas, além da nossa.
Álvaro Nunes, tradutor desta obra para as Edições 70, faz uma inteligente e produtiva análise do texto de David Hume na introdução revelando a ideia clara que o problema em discussão continua em aberto e que o texto de Hume constitui um passo arrebatador em torno dos argumentos do desígnio. É uma tarefa muito interessante esta a de traduzir as obras mas também de fazê-las acompanhar de uma introdução que conduza ao acompanhamento do que está a ser discutido e apontando para a actualidade do tema. E Álvaro Nunes consegue-o muito bem. Recomenda-se a edição e a leitura atenta à introdução, uma vez que, o problema dos argumentos em torno da existência de Deus, cabe em responsabilidade de todo o ser pensante. Esta introdução explora ainda o argumento a priori, discutido por Hume nos diálogos e finaliza com o problema do mal.
Agradeço a sugestão de leitura desta introdução e edição a Desidério Murcho
David Hume, Diálogos sobre a religião natural, Ed.70, 2005. Introdução, tradução e notas de Álvaro Nunes
 
Rolando Almeida

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D