Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A vida do universo

untitled325 Nas compras do mês, sempre temendo não ter o tempo possível para tudo estudar, incluí um livro de John Gribbin, Universo, uma biografia, (Trad. Luís Oliveira Santos) recentemente publicado na Estrela Polar. Trata-se, como o título da obra sugere, de uma introdução contemporânea à cosmologia, tornando-a acessível a todas as pessoas. Gribbin é um conhecido divulgador de ciência e conta já com alguns livros seus traduzidos no nosso país. Assim que abro o livro deparo-me com uma citação de um autor que nos é, a nós da filosofia, muito caro, Bertrand Russell. Vale a pena pensar no que diz Russell:

“Não é aquilo em que o cientista acredita que o distingue, mas como e porque acredita nisso. As suas convicções são experimentais, não são dogmáticas. Baseiam-se na demonstração, não na autoridade, nem na intuição”

O que nos está a dizer Russell? Creio que a frase é clara, com efeito avanço uma explicação breve: o que distingue o saber da ciência de outros saberes é que a ciência é resultado do esforço e trabalho intelectual confrontado com provas. A diferença é que as crenças do cientistas são verdadeiras e justificadas ao que passo que, por oposição, as crenças da pseudo ciência, apesar de poderem ser verdadeiras não são justificadas. Depois, a afirmação de Russell ilustra a atitude que está por detrás de um trabalho como o de um cientista, uma atitude que se prende mais com os processos do que com os resultados, mais com a investigação e os métodos, do que com as respostas cegas. Nisto a filosofia não é muito diferente.

O livro de Gribbin vai ter de esperar umas semanas, mas não chega até ao final de Julho sem estar lido. Com um pouco de paciência dar-me-ei novamente conta dele aqui no FES.

2ª Jornadas da Filosofia da EBS Gonçalves Zarco - Funchal

Hoje pela tarde realizaram-se as 2ª jornadas de filosofia da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco. Dois grupos de alunos, mais a assistência debateram durante cerca de 1 hora e 30 minutos o problema moral da eutanásia. Não faltaram as referências aos filósofos e aos argumentos. O debate resvalou em muitos momentos para a questão da objectividade / subjectividade moral, para o relativismo ou universalismo da verdade em ética, o problema da escolha e do livre arbítrio, a definição de dignidade humana, etc. Uma vez mais, no final, toda a assistência, professores e alunos, agradecem e reconhecem o valor que tem actividades desta natureza onde fazemos no espaço público o streep tease do que pensamos. É bom para a filosofia e para os nossos alunos. Todos estão de parabéns. No final houve prémios para todos, cortesia da editora Plátano que patrocinou as Jornadas. Os alunos foram previamente preparados pelas professoras Luísa Moras e Tânia Matos. Eu moderei o debate. Uma nota para a divulgação feita pela professora Fátima Aveiro que montou o esquema de promoção desta iniciativa. A todos, obrigado.

 

 

 

HPIM7862

Um dos grupos presentes, o Grupo A

HPIM7863

E o grupo B

HPIM7866

O moderador que também é autor deste blog

HPIM7864

O jurí das jornadas

Festival de música e filosofia

Sem ttulo

Por vezes há ideias interessantes, Ainda não digeri bem (falta de bons hábitos???) a ideia de um festival de filosofia e música. Mas é precisamente isso que nos é proposto no cartaz de HowTheLightGetsIn, A Philosohy Festival At Hay a misturar a música de Michael Nyman ou Roger Eno com a filosofia de Simon Blackburn ou Anthony Grayling. Ao que parece a edição deste ano já lá foi, mas por que não juntar uns bons trocos para dar lá um salto em 2010? (Clicar na imagem para mais infs)

Para pensar

55002 

Ao ler um capítulo de O cérebro de Broca, Reflexões sobre a beleza da ciência, encontrei este pequeno argumento de Carl Sagan, o autor do livro, e que gostaria de deixar à reflexão dos leitores:

“Em muitas sociedades em que a tecnologia é escassa e as perspectivas de atingir a idade adulta são duvidosas, ter muitos filhos é a única tábua de salvação em relação a um futuro instável e incerto.”

A reflexão a propor é a seguinte: que medidas devemos tomar para reduzir ou acabar com as assimetrias da distribuição da riqueza?

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D