Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Sobre o conhecimento

Podemos reconhecer o valor da experiência mental lembrando-nos de quão «realista» a realidade virtual se pode tornar. Eis uma variante actualizada da experiência mental. Imagine um progresso científico que permita a um cientista louco extrair-lhe o cérebro e depois preservá-lo num recipiente de produtos químicos que o mantêm a funcionar normalmente. Imagine que o cientista pode enviar dados de entrada, ou inputs, para os canais normais de informação (o nervo óptico, os nervos que transmitem sensações de audição, tacto e paladar). Se tiver boa índole, o cientista fornece informação como se o cérebro estivesse alojado num corpo normal e a viver uma vida razoável: comendo, jogando golf ou vendo televisão. Haveria retorno, ou feedback, pelo que, por exemplo, se o leitor prodizisse um certo «dado de saída», ou output, equivalente a levantar a mão, teria um «retorno», ou feedback , como se a sua mão tivesse sido levantada. O cientista colocou-o numa realidade virtual, pelo que a sua mão virtual se ergue. E, ao que parece, o leitor não teria maneira de saber que isto tinha acontecido, uma vez que para si parecia que a vida normal continuava.
     A versão que o próprio Descartes apresentou desta experiência mental não refere cérebros, nem tanques. De facto, se pensar no assunto, verá que ele não necessita de o fazer. As nossas convicções acerca do cérebro e do seu papel no que respeita a gerar experiências conscientes são convicções acerca de como o mundo funciona. Por isso, talvez também elas sejam o resultado dos dados de entrada, ou inputs, produzidos pelo génio maligno! Talvez o génio não tenha tido necessidade de sujar as mãos (?) mexendo em tanques. O génio limita-se a produzir dados de entrada, ou inputs, da maneira apropriada à realidade real – seja essa maneira o que for. Os próprios cérebros e nervos pertencem à realidade virtual.
 
 
Simon Blackburn, Pense, Uma Introdução à Filosofia, Gradiva, 2001, pp.34-35

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D