Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Administrativos do ensino

burocracia Segundo apanhei na internet, um relatório da OCDE conclui:

“Portugal é dos países onde os professores gastam mais tempo a manter a ordem na sala de aula e em tarefas administrativas e menos tempo a ensinar.”

(…) E a estudar, acrescento eu. Os professores fazem basicamente o que a tutela manda fazer. Esta é efectivamente a realidade que observo todos os dias. A maior parte do tempo dos professores nas escolas é passado a discutir e a tratar assuntos de ordem burocrática. Observar um grupo de professores a discutir activamente e com propriedade matérias de ensino, ideias, teorias, argumentos, é puro delírio. É tarefa de quem não tem mais nada para fazer. E isto é inteiramente verdade, os professores pura e simplesmente tem cada vez menos tempo para fazer a única coisa que lhes deve ser exigida: estudar e prepararem-se cada vez melhor. Estudar não é valorizado pelas políticas educativas, em especial a do último governo que tem sabido aprofundar esta realidade. Para que o professor estude menos (e os alunos também) e garantam ao mesmo tempo o sucesso educativo, há que: 1) acabar com os exames de disciplinas menos vistosas (como física ou filosofia) 2) tornar os exames o mais fáceis possível ( e não os programas o mais rigorosos possível – é que isto dá trabalho). Talvez se a humanidade fosse mais justa teríamos 100 mil professores na rua a protestar por mais tempo para estudarem e serem melhores professores tal como os tivemos a reclamar melhores condições profissionais. Se fosse exigido aos professores mais estudo, talvez tivéssemos um ensino baseado em conteúdos sólidos e talvez esse ensino mais entusiasmante captasse uma franja importante de alunos que se estão nas tintas para a escolês do eduquês. Talvez um dia tivéssemos melhores cientistas, médicos, professores, melhor economia e indústria, capacidade inventiva, etc. E tudo isto com um gesto tão simples: mandar os professores para casa estudar, que é a única coisa que deviam fazer para além das aulas, mas que é a única coisa que cada vez é menos exigida. E uma escola que não exige aos seus professores que estudem, é uma escola que não vai ter alunos interessados em estudar. A ideia não é ser dramático com este post, mas parece que a realidade caminha a bons passos para um ensino onde o saber, o conhecimento, a ciência, são confundidos com o saber fazer. É confundir a causa com a consequência. Na verdade defendo que nada se sabe fazer, se não se sabe pensar pela própria cabeça, se não temos produção filosófica, científica e artística.

Hoje ao final do exame de português do 12º ano os alunos na escola onde ensino diziam-me que o exame tinha sido fácil. O problema é que esta facilidade não é resultado do esforço e do estudo, mas em grande parte (mais que a desejável) é resultado do facilitismo. Ou estarei a ver mal as coisas?

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D