Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Legalização do Aborto: Sim ou Não?

NOTA INTRODUTÓRIA: A autora do texto, Carolina Freitas, aluna do 11º ano, Turma 5, da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco, solicitou uma republicação do seu texto, uma vez revisto o mesmo e reforçando-o com mais algumas premissas que melhor confirmem a sua posição em relação ao problema do aborto. da minha parte agradeço e incentivo para que continue este seu trabalho de pesquisa. Neste blog aparecem referências a leituras onde se expõe os argumentos mais fortes usados pelos filósofos contra e a favor do aborto.
Rolando Almeida
Legalização do Aborto: Sim ou Não?
      Quando nos deparamos com a questão do aborto, perante muitas pessoas estamos face a uma questão aberrante.
A opinião de muitos é a de que o feto é um ser vivo consciente e, como tal, o aborto é um assassinato. Quero ainda referir que é sempre melhor optar pela prevenção e pela responsabilidade. O uso de métodos contraceptivos é uma forma de precavermos situações mais complexas e que impliquem decisões difíceis, como a de a abortar ou não.
     É belo educar e ser-se pais, mas uma situação de aborto pode desencadear processos de arrependimento, sentimentos de culpa e consciência atribulada que é preferível evitar, mas que acontecem.
Na minha opinião sou a favor do aborto. Quando assumimos ter um filho, queremos o seu bem e a melhor qualidade de vida. Se estivermos perante a questão de uma família com necessidades podemos sempre questionar se vale a pena dar uma vida com extremas dificuldades ao nosso filho, para, mais tarde, sofrer consequências psicológicas e sociais? E quando estamos perante um caso de violação, parece ser mais consensual o aborto. Mas nesse caso também não estaremos a matar um feto não desejado? Muitos países têm já o aborto legalizado.  Porque temos de ser diferentes? Será que uma mulher não é livre de decidir, em vez de viver uma vida de revolta e deitar a perder um futuro que podia ser melhor decidido? Se liberdade todos temos e esta está sempre associada à responsabilidade, tendo consciência das consequências, liberdade de escolha e ter consciência que estamos perante um aborto, já não teremos reflectido antes de agir? Não será motivo forte?
     Para além do mais, em muitos casos, para as mulheres torna-se uma situação de humilhação, descriminação social e revolta uma gravidez não desejada. Temos o exemplo da gravidez precoce na adolescência.
De facto, os métodos contraceptivos são importantes e assim evitam-se gravidezes indesejáveis. E se, ainda assim, uma pessoa toma precauções e tem um azar?
     E já que estamos estamos a falar de métodos contraceptivos, não estará o Estado indirectamente a contribuir para um “aborto” quando nos centros de saúde sabemos que é fornecido a pílula do dia seguinte?
Será o feto o mais prejudicado, ou a mãe que terá o peso de se responsabilizar pela sua educação, futuro e que irá reflectir-se na escolha feita pela sociedade?
     Ainda assim, temos o exemplo dos orfanatos em que as crianças vivem lá toda a sua vida e com condições por vezes precárias, por vezes com ou sem ajudas do Estado, geralmente sem. Não seria para o Estado e para as próprias crianças
melhor não terem de passar por situações destas e já que estamos perante uma política em que governam os interesses e não o bem estar da população, não seria melhor ao Estado "poupar-lhe"  assuntos ligados a esta natureza.
     Ainda assim a ignorância por parte das pessoas em não terem uma opinião
sobre o assunto, ou porque vão atrás de opiniões alheias ou porque de nada sabem e votem por votar. As pessoas não se questionam porque é algo que não são do seu interesse ou importância até ao momento em que lhes acontece algo semelhante ou até mesmo por dificuldades em abertura à mentalidade e flexibilidade em lidar com assuntos do género. De pouco serve a opinião que têm, daí a legalização do aborto ser um impasse.
     Será que não existem bebés inocentes a servirem de experiências científicas? Será que o feto tem consciência que existe? Não, e se não tem, será que sente que o matam? Não. Não será preferível legalizar o aborto, em vez de abortos clandestinos ou até mesmo, para aqueles que podem, dirigirem-se ao país vizinho e fazer um aborto que é legalizado?
     Cada indivíduo irá contribuir para a existência de uma sociedade, daí que seja importante racionalizar as escolhas individuais.
     A minha resposta mais livre é que sim, sou a favor do aborto, mas para evitar situações de ânimo leve e que estas se venham a repetir várias vezes, o aborto deverá ser permitido até aos três meses de gravidez.
 
 
Carolina Freitas
Aluna do 11º 5 da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco - Funchal

13 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D