Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Duas tradições?

0,,12064709-EX,00 Na secção de comentários recebi este muito interessante. Escrevi ao autor, Vitor Guerreiro, autor também do blog Ana Litica Mente e pedi para o publicar em forma de post. O comentário refere-se às pseudo divisões bairristas entre filosofia X e filosofia Y.

A diferença fundamental entre duas «tradições» (acho muita graça aos tiques que esta palavra disfarça), uma que se interessa pelos processos argumentativos e pelo conteúdo das ideias, e outra que se interessa na mera genealogia das ideias é esta: num dos casos, a importância de algo mede-se pela contribuição positiva que nos dá para o pensamento de algum problema identificável e capaz de ser formulado claramente. (Há a ideia idiota de que quanto mais obscuros e indefiníveis são os problemas, mais profundas são as cabeças que os congeminam), no outro caso, a importância de algo mede-se por nos fornecer um acervo de palavras inusitadas e irreverentes, que usaremos para exibir de um modo atrevido a nossa filiação na «tradição» particular que escolhemos. Depois é só imaginar as reacções epidérmicas que os outros vão ter ao constatar esta nossa afirmação genealógica - o sex appeal de se ser qualquer coisa acabada em "iano" (sim, porque os pós-modernóides desconstruíram o "ismo" - assim, já não há marxistas, há marxianos... e marcianos também). O appeal de se ser nietzscheano. Depois é a torrente de asneiras: um gajo diz que é monista ou que pensa x ou y acerca da mente, não porque tenha um pensamento claro e sistemático sobre o assunto, mas porque é espinosista, ou porque é nietzscheano, ou outra coisa qualquer. Quer dizer, o que importa não é o pensamento, é o modo irreverente como se atira aos mortais ignorantes a nossa filiação, a nossa erudição oca que só lá está a tapar uma ausência real de pensamento e uma proverbial e lusitana preguiça de pensar. Porque o que interessa nesta «tradição» continentalóide não é o trabalho filosófico mas um análogo mais sofisticado da mesma coisa que os putos fazem com os ídolos rock e as t-shirts estampadas.”

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D