Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

A Filosofia no Ensino Secundário

Novidades editoriais de interesse para estudantes e professores de Filosofia.

Resposta a quem toma Klossowski por obscuro

Sem títuloEncontrei esta resposta de uma leitora - no seu blog - (clicar na imagem para aceder), uma vez que o espaço dos comentários do meu blog não permitem uma resposta mais longa (podia ter feito em duas partes). Bom, eu não me importo mesmo nada de ceder o espaço do meu blog para mostrar o desânimo da leitora por eu não ter referido Klossowski como um autor de extrema importância no panorâma da filosofia actual. Mas eu não o referi porque o autor não tem essa importância, tal como não a tem milhares de outros autores. A minha heresia despoletou uma pequena guerra. Por regra não entro em guerras, mas resolvi ver até onde uma guerra de palavras pode chegar. Não vi, pois não tem fim. Provavelmente, a minha leitora depois faz um post de resposta a este para me liquidar como pessoa, só porque eu referi aquilo que é verdade, que Kolossowski não é um autor central na filosofia. Bem, a estratégia da guerra consiste mais ou menos em acusar o outro do que nós próprios fazemos. Um pequeno exemplo: imagine o leitor que eu lhe dou respostas com citações de livros, mas depois acuso-o que você segue uma filosofia que não é mais do que citação atrás de citação. Mais um outro exemplo: imagine que eu o acuso de separatismo na filosofia, mas o meu discurso resvala sempre para um anti qualquer coisa. Não me impressionou a resposta da leitora. As pessoas são livres de estudarem o autor X ou Y. O que mais me chamou a atenção é que a leitora predispôs-se muito rapidamente a colocar em causa uma série de aspectos, incluindo a minha vida profissional no seguimento de não considerar um autor como central (e que não é mesmo). Mais à frente sou acusado de possuir pouco rigor nas minhas afirmações. Dá que pensar. Não sei quem é esta minha leitora muito menos se tem alguma actividade na filosofia, uma vez que, apesar da minha identidade estar completamente revelada, o contrário nem sempre acontece, o que me parece injusto. Bom, claro que já há algum tempo aprendi que as disputas filosóficas valem a pena, sempre, mas as demonstrações de força por regra não conduzem a qualquer resultado. Mas fica a história, pronta a digerir entre um jogo do europeu e um prato de tremoços.

Rolando Almeida


6 Junho 2008

Aos professores e leitores de Filosofia

Caro senhor,

Respondo-lhe aqui porque o espaço dos comentários do seu blog me impõe um número limitado de caracteres, aproveitando também para estender este debate a quem se interessar por ele.

A centralidade de um autor no âmbito da Filosofia não é, ao contrário do que alguns professores possam pensar, ditada por eles, já que nenhum sujeito tem o direito de impor ditatorialmente a outrem o seu sistema de referências. Assim sendo, o que torna Klossowski um pensador incontornável não são «bitaites» de um adepto (como se de futebol se tratasse) que coleccionasse e guardasse os cromos dos seus jogadores favoritos na prateleira, mas sim a própria História.

Quando desclassifica esse autor como «obscuro» e «banha da cobra» e, nas suas palavras, «uma data de gente reage como se tivesse cometido uma heresia», aquilo que cai sobre si é o peso da História, enquanto memória e apreciação colectivas. Essa reacção é, aliás, de louvar, pois demonstra, não só que Klossowski é reconhecido como um marco para os reais leitores de filosofia, como demonstra que há leitores de filosofia – duas razões para alguém que se interesse por Filosofia ficar contente.

Um pouco mais de moderação quando se referir a Klossowski, não vá dar-se o caso de se encontrar num meio académico sério (porque também há os que não o são), e acabarem a desconsiderarem-no a si por «pura ignorância» de conceituadas obras no universo filosófico como «Nietzsche e o Círculo Vicioso» (obra dedicada a Deleuze e considerada por Foucault “o maior livro de filosofia que alguma vez li, incluindo a obra do próprio Nietzsche”) e «A Moeda Viva» (“o mais elevado livro da nossa época”, diz novamente Foucault), entre outras.

É que, na qualidade de professor de Filosofia, não tem obrigação de conhecer tudo mas tem o dever de, pelo menos, não negar à partida aquilo que desconhece. É para isso que lhe pagam.

Gostará talvez de saber que Klossowski traduziu para o francês importantes textos de Wittgenstein (que é a grande referência do seu estimado Kripke), assim como de Heidegger, Nietzsche, Benjamin, etc.

Não acho estranho que, como o caro senhor, haja quem considere Kripke «um dos filósofos mais centrais do século XX» (século marcado por duas guerras mundiais, duas grandes catástrofes atómicas e vários acidentes nucleares, movidos em nome «da busca séria e rigorosa» da razão e do progresso científico), contanto que me conceda que «um dia o século será deleuziano». E tanto melhor para nós se for já o século XXI!

Quanto à sua observação de que «a verdade não é uma lotaria», ficaria espantado com as vozes que se levantam, vindas do seio da própria comunidade filosófica, afirmando que «pensar é lançar os dados».

E para que continue a dita «busca» filosófica, deixo algumas pistas em forma de link (não significa que as subscreva por inteiro, mas não é isso que importa):

- Sobre «Nietzsche e o Círculo Vicioso» de Klossowski

- Pensar é lançar os dados

- «A teoria de Kripke é muito menos espantosa do que pode parecer à primeira vista» - Desidério Murcho

- Kripke vs. Deleuze

Cordialmente,

Sónia

68 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2006
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D