Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

Amado ou mal amado

Quando hoje cheguei a casa tinha na caixa de correio o livro que aqui apresento. Já há algum tempo que pretendia meter-me numa experiência com o filósofo alemão, após a insistência durante a licenciatura. Estava mesmo interessado se existiria alguma boa introdução a Heidegger moderna que primasse pelo rigor da exposição. Não li ainda o livro todo, mas serviu para uma pausa entre tanta crítica e comentários a manuais escolares. Ao final da tarde, passeando o meu bebé de 5 meses, sentei-me numa esplanada, pedi um café e comecei a ler o livro. O que pude concluir? Que a exposição é realmente clara e toca no limite os principais pontos da filosofia do pensador alemão desde o Ser ao Dasein passando pela linguagem, verdade, tempo, morte, temporalidade, transcendência, consciência, entre outros. A exposição é muito curta (o livro tem 150 páginas) mas eficaz para colocar o leitor perante a obra daquele que é considerado por muitos o maior pensador do século xx. Pude também notar, pelas páginas lidas que, apesar da clareza da exposição, a filosofia de Heidegger é realmente obscura, mas o livro é de todo recomendável para quem já perdeu algumas das leituras centrais do autor. Mas, ainda com a minha mente a pairar sobre tantos comentários aos manuais não pude deixar de notar a afinidade que muita filosofia praticada em Portugal, mesmo no secundário, bebe da influência heideggeriana e pensei de imediato se seria justo acusar a filosofia nacional e alguns manuais de teoria da conspiração tal como alguns leitores tem acusado alguns manuais? Claro que não. Essa ideia parece-me de imediato tola. Heidegger é um pensador que tem o seu lugar e é um autor de difícil acesso, pelo que tomá-lo como influência para a filosofia no secundário só pode dar em tolice. Trata-se de um autor, como muitos outros, que exige uma especialização mais aprofundada em termos filosóficos uma vez que exige o domínio de um léxico pouco comum aos jovens. Mas é um autor complexo não só pela linguagem usada como também pelas ideias, tomadas por uns como inovadoras e, outros, como charlatanice. É, acima de tudo, um filósofo controverso e que merece, obviamente, a nossa atenção enquanto pensador influente no século xx. Michael Inwood é professor de filosofia no Trinity College em Oxford e publicou vários estudos sobre Hegel e Heidegger.
Michael Inwood, Heidegger, a very short introduction, Oxford, 1997
publicado por rolandoa às 23:31

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS