Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007

E isto continua igual. Não fui eu quem o disse! Foi o Eça.

Depois ensinaram-me a ler: e o Estado, que certamente tinha interesse em que eu soubesse ler, e que, por meio das suas repartições públicas, estudara prudentemente o livro que melhor me convinha, como lição moral, e como lição patriótica, meteu-me nas mãos um volume traduzido do francês e chamado Dimão de Nântua. Eram as aventuras dum justo: abundavam lá os exemplos de modéstia, de diligência, de caridade, de pudor; mas todas estas virtudes, suaves e íntimas, só exibiam longe, em Dijon, na Alsácia, e nas estalagens da Picardia.
Eça de Queiroz

De sorte que, para mim, todos os justos, bem como todos os heróis, só em França se produziam na perfeição, como os espargos, nessa França donde tudo o que é amável vinha, donde eu mesmo viera, como outras crianças, num açafate de alfazema e cravo. Depois, comecei a subir o duro calvário dos Preparatórios: e desde logo a coisa importante para o Estado foi que eu soubesse bem francês. Decerto. O Estado ensinava-me outras disciplinas , entre as quais duas, horrendas e grotescas, que se chamavam, se bem recordo, a Lógica e a Retórica. Uma era destinada a que eu soubesse bem pensar, e a outra, correlativamente, que eu soubesse bem escrever. Eu tinha então doze anos. Para eu saber pensar, o Estado e os seus professores forçavam-me a decorar diariamente laudas de definições, de fórmulas misteriosas, que continham a essência, o segredo das coisas, complicadas do francês, de velhos compêndios de Escolástica. Era terrível! (…) Mas bem depressa compreendi que esta Lógica, com a divertida, faceta, incomparável Retórica, que tive de decorar durante um ano, eram decerto disciplinas em que o Estado não tinha interesse que eu fosse perfeito. O seu desejo estava todo em que eu soubesse bem francês. (…) E, sobre a mesa de pinho azul dos meus companheiros de casa, só se apinhavam livros franceses de matemática, de cirurgia, de física, de química, de teologia, de zoologia, de botânica. Tudo francês! Algumas lições eram dadas em francês , por lentes pré-claros, carregados de condecorações, que pronunciavam il faut – ile faúte. Aquele corpo docente nunca tivera bastante actividade intelectual para fazer os seus próprios compêndios. E todavia Coimbra fervilhava de lentes que decerto tinham ócios. Havia-os no meu tempo inumeráveis, moços e vetustos, ajanotados e sórdidos, castos e debochados, e todos decerto tinham ócios; mas empregavam-nos na política, no amanho das suas terras, no bilhar, na doçura da família, no trabalho de dominar pelo terror o pobre académico encolhido na sua batina, e o saber necessário para confeccionar a sua sebenta, iam buscá-lo todos os meses aos livreiros da calçada, que o recebiam de França, encaixotado, pelo paquete do Havre.
Eça de Queiroz, «O Francesismo», Obras Completas, Vol. 2, Lello & Irmão Editores, p. 813,816  

publicado por rolandoa às 17:51

link do post | favorito
4 comentários:
De Miguel Amen a 13 de Outubro de 2007 às 08:44
O Rolando, decerto, não sabe que o leite vem do frigorífico. Mas essas ousadias aonde o podem levar? Qualquer dia está para aí a dizer que o leite vem das vacas. O que convenhamos não é nada civilizado.

Miguel Amen
De rolandoa a 13 de Outubro de 2007 às 12:15
Miguel,
Qualquer esclarecimento sobre este post deve ser tirado com Eça de Queiroz, que é o autor do texto, lendo os seus livros.
Confesso que não compreendi o seu comentário. Importa-se de ser mais claro? Senão é preciso fazer um verdadeiro exercício de descodificação.
Rolando A
De Miguel Amen a 13 de Outubro de 2007 às 12:36
Caro Rolando, estava a ser irónico. Concordo com Eça. O Leite é o conhecimento, o frigorifico é de onde conhecimento vem, de fora, rotulado e pronto a ingerir. As vacas representam a realidade e o seu estudo. E se o conhecimento vier das vacas e não do frigorifico, se não podemos contar com o pingar da seiva francesa (ou da..) que será de nós...

Abraços,
Miguel Amen
De rolandoa a 13 de Outubro de 2007 às 12:41
Miguel,
Explicadissímo. Deve ser por ser Sábado e ter acordado mais tarde. estou lento... :-)
Obrigado pela resposta
Rolando Almeida

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS