Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006

Sobre a Avaliação dos Professores

Um dado curioso relativamente à avaliação dos professores é o seguinte: O ministério parte do princípio que se pode avaliar o produto do trabalho de um professor, da mesma forma que se avalia um qualquer produto final industrial, como um par de sapatos. Os defeitos e virtudes do “produto” da educação, não se avalia dessa forma. O que passará a acontecer é que os professores terão de passar a preencher uma série de requisitos profissionais que nada tem a ver com a sua formação científica de base, afinal, aquela que pode diferenciar o trabalho de um professor da tarefa normal de educar para a qual não se exige grande ou nenhuma preparação científica de base. Assim, um professor simpático, de boas relações com alunos, colegas, escola e pais terá muitas maiores possibilidades de êxito do que um professor que possa não reunir este conjunto de qualidades, mas que seja cientificamente competente. O que está em causa é que não existem mecanismos eficazes para se avaliar a qualidade das aulas de cerca de 180 mil docentes a leccionar no país. De modo que teremos uma avaliação fútil e formal, mas com enorme peso nas vidas dos professores. Em conclusão, é muito mais importante ser-se um professor simpático, do que um professor bem preparado. Aqueles que reúnem estas duas capacidades, só terão de enfrentar o bicho papão que é a cultura mental das pessoas nestas coisas do mérito e da capacidade real e objectiva de trabalho de cada um.

Lamento continuar a assistir a opiniões infundadas de gente como Miguel Sousa Tavares e outros preguiçosos que tais, que revelam um desconhecimento profundo do sistema educativo e que se limitam a reivindicar de forma carregada de sentimentalismos uma igualdade de circunstâncias entre sector público e privado*. Para quem, como eu, já trabalhou para o privado em Portugal, bem sabe das enormidades que por lá se passam que em nada beneficiam a educação. De todo o modo, já agora, quando falamos de privado, de que privado estamos a falar? Mesmo aí a realidade é claramente disforme. Conheço imensos exemplos infelizes do ensino privado em Portugal, à excepção, é claro, das escolas consideradas de elite que muito bem formam os seus estudantes, mas em nada contribuem para o bem comum, sendo que, quando falamos de ensino público, pelo menos aí, temos sempre como matriz, o bem comum.

Vamos vivendo os dias assistindo às decisões ad-hoc de um Ministério que não sabe, sequer, justificar os seus princípios. Quando a noção da política se resume a pensar que o bom político não passa de um bom administrador financeiro, estamos, na verdade, a revelar um desconhecimento grave do que é a política enquanto espaço público, tal como Platão muito bem o pretendeu demonstrar na República.

 

 

Rolando Almeida

 

* A este propósito vale a pena ler o pequeno mas magnifico ensaio de Harry Frankfurt, Da treta, Livros de Areia, 2006, no qual o autor expõe muito bem as razões que fazem com que possamos dizer as tretas que nos apetece sem qualquer sentido de responsabilidade pelas afirmações que fazemos.

 

Este Texto pode também ser lido no fórum do Centro Para O Ensino da Filosofia em:  http://www.cef-spf.org/    

 

publicado por rolandoa às 17:39

link do post | favorito
4 comentários:
De |nes a 16 de Setembro de 2006 às 20:01
Na minha opinião, como é que os pais podem avaliar os professores? vão passar a assistir as aulas? Não me parece !
Acho bem que os professores sejam avaliados pelo seu profissionalismo, mas não , pela sua simpatia ou maneira de ser!
Acho no mínimo um absurdo esta nova proposta do Ministerio da Educação!
De Luís Teixeira a 20 de Setembro de 2006 às 17:10
LOOOOOOOL professor isso é de morte!! Como é que os encarregados vão avaliar se a maioria deles nem tempo para os filhos têm quanto mais para avaliar um professor?
Eu axo isso um absurdo, inda pra mais os professores são pagos pelo seu desempenho profissional e não por ser simpático ou antipatico!!
É assim que o Ministério quer os adolescentes mais capazes, com mais ideias e com melhor perspectiva de futuro?
Se é assim que querem, então o mais aconselhado é darem bastantes feriados porque é uma maneira dos professores terem boa avaliacao na sua simpatia!!
É caso para dizer: O MUNDO ESTÁ PERDIDO!!
De rolandoa a 21 de Setembro de 2006 às 00:29
Não pretendo ser tão dramático. O que coloco em causa são alguns métodos propostos. De resto a ideia de que muita coisa tem de mudar, até é do meu agrado e, penso, do agrado geral.
Os próximos tempos vão ser complicados , mas nada há a temer.
abraço
Rolando A
De João Lopes a 19 de Outubro de 2006 às 18:35
eu por acaso passei por aqui por não me lembrar do mail do professor ;p ( e só li este artigo :S)
Sinceramente, acho k alguns professores deviam ser avaliados e os bons professores nada têm a temer... Claro que não se pode arranjar uma forma objectiva de avaliar um docente numa aula... essa parte é que vai ser complicada. Agora os pais e encarregados de educação é que não deviam ser para aqui chamados...

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS