Sexta-feira, 24 de Agosto de 2007

filosofia Moral - O caso do bebé Teresa

Teresa Ann Campo Pearson, conhecida publicamente como «Bebé Teresa», é uma criança com anencefalia nascida na Florida em 1992. A anencefalia é uma das mais graves deformidades congénitas. Os bebés anencefálicos são por vezes referidos como «bebés sem cérebro», e isto dá basicamente ideia do problema, mas não é uma imagem inteiramente correcta. Partes importantes do encéfalo — cérebro e cerebelo — estão em falta, bem como o topo do crânio. Estes bebés têm, no entanto, o tronco cerebral e por isso as funções autónomas como a respiração e os batimentos cardíacos são possíveis. Nos EUA, a maior parte dos casos de anencefalia são detectados durante a gravidez e abortados. Dos não abortados, metade nascem mortos. Cerca de 300 em cada ano nascem vivos e em geral morrem em poucos dias.
    
 A história da bebé Teresa nada teria de notável não fosse o pedido invulgar feito pelos seus pais. Sabendo que a bebé não poderia viver por muito tempo e, mesmo que pudesse sobreviver, nunca iria ter uma vida consciente, os pais da bebé Teresa ofereceram os seus órgãos para transplante. Pensaram que os seus rins, fígado, coração, pulmões e olhos deveriam ir para crianças que pudessem beneficiar deles. Os médicos acharam uma boa ideia. Pelo menos 2000 crianças em cada ano necessitam de transplantes e nunca há órgãos suficientes disponíveis. Mas os órgãos não foram retirados, porque na Florida a lei não permite a remoção de órgãos até o dador estar morto. Quando, nove dias depois, a bebé Teresa morreu, era demasiado tarde para as outras crianças — os órgãos não podiam ser transplantados por se terem deteriorado excessivamente.
     As histórias dos jornais sobre a bebé Teresa suscitaram uma onda de debates públicos. Teria sido correcto remover os órgãos da criança, causando-lhe dessa forma morte imediata, para ajudar outras crianças? Vários «eticistas» profissionais — pessoas empregadas por universidades, hospitais, e escolas de direito, cujo trabalho consiste em pensar nestas coisas — foram solicitados pela imprensa para comentar o tema. Surpreendentemente, poucos concordaram com os pais e os médicos. Apelaram, ao invés, a princípios filosóficos consagrados para se oporem à remoção dos órgãos. «Parece simplesmente demasiado horrível usar pessoas como meios para os objectivos de outras pessoas», afirmou um destes peritos. Outro explicou: «É imoral matar para salvar. É imoral matar a pessoa A para salvar a pessoa B». Um terceiro acrescentou: «O que os pais estão realmente a pedir é: matem este bebé moribundo para que os seus órgãos possam ser usados por outra pessoa. Bom, isso é de facto uma proposta horrenda».
     Era realmente horrendo? As opiniões dividiram-se. Estes eticistas pensavam que sim, enquanto os pais da bebé e os médicos pensavam que não. Mas não estamos apenas interessados no que as pessoas pensam. Queremos conhecer a verdade da questão. Teriam os pais razão ou não, de facto, ao oferecer os órgãos da bebé para transplante? Se queremos descobrir a verdade temos de perguntar que razões, ou argumentos, podem ser concedidos a cada uma das partes. O que poderá dizer-se para justificar o pedido dos pais, ou para justificar a ideia de que o pedido estava errado?
 
    O argumento do benefício. A sugestão dos pais baseava-se na ideia de que, uma vez que Teresa ia morrer em breve, os seus órgãos de nada lhe serviam. As outras crianças, no entanto, poderiam beneficiar deles. Assim, o raciocínio parece ter sido o seguinte: Se podemos beneficiar alguém sem fazer mal a outra pessoa, devemos fazê-lo. Transplantar os órgãos beneficia as outras crianças sem prejudicar a bebé Teresa. Logo, devemos transplantar os órgãos.
     Será isto correcto? Nem todos os argumentos são sólidos; por isso, não queremos apenas saber que argumentos podem ser aduzidos em defesa de uma dada posição, mas também se esses argumentos são bons. Em geral, um argumento é sólido se as suas premissas são verdadeiras e a conclusão resulta logicamente delas. Neste caso, poderíamos interrogar-nos sobre a proposição segundo a qual Teresa não seria prejudicada. Afinal de contas, ela morreria; isso não é mau para ela? Mas, se reflectirmos, parece claro que nestas circunstâncias trágicas os pais tinham razão — estar viva não lhe servia de nada. Estar vivo só é um benefício quando permite a alguém realizar actividades e ter pensamentos, sentimentos, e relações com outras pessoas — por outras palavras, se permite a alguém ter uma vida. Na ausência destas coisas a mera existência biológica não tem valor algum. Por isso, mesmo que Teresa pudesse continuar viva por mais alguns dias, isso nada lhe traria de bom. (Podemos imaginar circunstâncias nas quais outras pessoas beneficiariam em mantê-la viva, mas isso não é o mesmo que ser ela a beneficiar disso.)
     O argumento do benefício fornece, pois, uma poderosa razão para o transplante dos órgãos. Quais são os argumentos do lado contrário?
 
    O argumento de que não devemos usar pessoas como meios. Os eticistas que se opuseram aos transplantes usaram dois argumentos. O primeiro baseava-se na ideia de que é errado usar pessoas como meios para os fins de outras pessoas. Retirar os órgãos de Teresa teria sido usá-la em benefício de outras crianças; portanto, não se deve fazê-lo.
     Será este um argumento sólido? A ideia de que não devemos «usar» pessoas é obviamente apelativa, mas trata-se de uma noção vaga que tem de ser esclarecida. O que significa ao certo? «Usar pessoas» implica geralmente violar a sua autonomia — a sua capacidade para decidirem por si mesmas como viver as suas próprias vidas, segundo os seus próprios desejos e valores. A autonomia de uma pessoa pode ser violada por meio de manipulação, impostura, ou fraude. Por exemplo, posso fingir ser amigo de alguém, quando na verdade estou apenas interessado em conhecer a sua irmã; ou posso mentir a alguém para conseguir um empréstimo; ou posso tentar convencer alguém que gostará de assistir a um concerto noutra cidade, quando quero apenas que me leve até lá. Em todos estes casos estou a manipular alguém de modo a obter algo para mim próprio. A autonomia é igualmente violada quando as pessoas são forçadas a fazer coisas contra a sua vontade. Isto explica por que razão é errado «usar pessoas»; é errado porque a impostura, a coerção e o engano são errados.
     Retirar os órgãos à bebé Teresa não envolveria engano, impostura ou coerção. Será que estaríamos a «usá-la» num outro sentido moralmente significativo? Iríamos, é claro, usar os seus órgãos em benefício de outra pessoa. Mas fazemos isso sempre que realizamos um transplante. Neste caso, no entanto, iríamos fazê-lo sem a sua permissão. Esse facto tornaria o acto errado? Se estivéssemos a fazê-lo «contra» os seus desejos, isso poderia justificar a nossa oposição; seria uma violação da sua autonomia. Mas a bebé Teresa não é um ser autónomo: não tem desejos e é incapaz de tomar por si quaisquer decisões.
     Quando as pessoas são incapazes de tomar decisões por si, e outros têm de o fazer em seu lugar, pode-se adoptar duas linhas de orientação razoáveis. Primeiro, podemos perguntar-nos: o que serviria melhor os seus interesses? Se aplicarmos este padrão à bebé Teresa parece não haver objecções a que lhe retiremos os órgãos, pois, como já vimos, seja qual for a nossa decisão, os seus interesses não serão afectados. Ela, de qualquer maneira, morrerá em breve.
     A segunda linha de orientação faz apelo às preferências da própria pessoa. Poderíamos perguntar: se pudesse dizer-nos o que quer, que diria ela? Este tipo de pensamento é frequentemente útil quando lidamos com pessoas que sabemos terem preferências mas são incapazes de exprimi-las (por exemplo, um paciente em coma que assinou um testamento). Só que, infelizmente, a bebé Teresa não tem preferências sobre coisa alguma e nunca terá. Não podemos, por isso, obter dela qualquer orientação, nem mesmo na nossa imaginação. A conclusão é que ficamos na contingência de fazer o que consideramos melhor.
 
    O argumento de que matar é errado. Os eticistas recorreram igualmente ao princípio de que é errado matar uma pessoa para salvar outra. Retirar os órgãos de Teresa seria matá-la para salvar outros, afirmaram eles; por isso, retirar os órgãos seria errado.
     Será este argumento sólido? A proibição de matar é certamente uma das regras morais mais importantes. No entanto, poucas pessoas pensam que matar é sempre errado — a maioria das pessoas pensam que algumas excepções são por vezes justificadas. A questão é pois saber se retirar os órgãos da bebé Teresa deveria ser encarado como uma excepção à regra. Há muitas razões a favor desta ideia, sendo a mais importante que ela morrerá de qualquer maneira, independentemente do que fizermos, ao passo que retirar-lhe os órgãos permitiria pelo menos fazer algum bem a outros bebés. Qualquer pessoa que aceite isto tomará como falsa a primeira premissa do argumento. Em geral é errado matar uma pessoa para salvar outra, mas isso nem sempre é assim.
     Mas há outra possibilidade. Talvez a melhor maneira de entender toda a situação fosse encarar desde logo a bebé Teresa como morta. Se isto parece insensato, recorde-se que a «morte cerebral» é hoje amplamente aceite como critério para declarar as pessoas legalmente mortas. Quando o critério da morte cerebral foi proposto pela primeira vez houve resistências baseadas na ideia de que alguém pode estar cerebralmente morto mas muita coisa continua a funcionar no seu interior — com assistência mecânica o coração pode continuar a bater, pode-se continuar a respirar e assim por adiante. Mas a morte cerebral foi por fim aceite e as pessoas acostumaram-se a encará-la como «verdadeira» morte. Isto foi sensato, pois quando o cérebro pára de funcionar deixa de haver esperanças de vida consciente.
     As anencefalias não satisfazem os requisitos técnicos da morte cerebral tal como é actualmente definida; mas talvez a definição devesse ser reelaborada para as incluir. Afinal de contas, os anencefálicos também não têm perspectivas de vida consciente, pela razão profunda de que não têm cérebro ou cerebelo. Se a definição de morte cerebral fosse reformulada para incluir os anencefálicos, acabaríamos por nos acostumar à ideia de que estes infelizes bebés são nado-mortos e deixaríamos, por isso, de encarar a extracção dos seus órgãos como uma forma de os matar. O argumento baseado na ideia de que matar é errado seria então contestável.
     Parece pois, no todo, que o argumento a favor do transplante dos órgãos da bebé Teresa é mais forte do que estes argumentos contra o transplante.
 
James Rachels, Elementos de filosofia moral, Gradiva, Col. Filosofia Aberta


publicado por rolandoa às 00:38

link do post | favorito
12 comentários:
De Clara Jasmins a 25 de Agosto de 2007 às 17:55
Estava aqui a ler o artigo e acho que neste caso talvez se possa comparar os casos desta doença, com o aborto. Ora se é correcto abortar devido ao bebé nascer deformado com poucas condições de vida, porque é que será errado deixar a criança nascer e usar os seus órgãos para salvar outras crianças com mais possibilidades de resistir? Afinal de contas o aborto (pelo menos em Portugal...) é legal até uma determinada altura em que o feto supostamente não sofre. É também do conhecimento geral que as nossas acções são controladas pelo sistema nervoso, sendo o cérebro e o cerebelo duas partes vitais para a percepção do ser humano face aos seus movimentos mas também face à dor, pois a dor é induzida pelos órgãos/músculos mas produzida pelo sistema nervoso.
Embora neste caso a bebé Teresa fosse de facto um ser humano, nunca iria comportar-se como tal, e segundo sei, o aborto é legal por julgar-se que aquele pequeno rebento ainda não é considerado ser humano. Logo qual é a diferença? O facto de estar à vista de todos? A mim custa-me mais aceitar que um grupo de crianças não resista por não conseguir transplante do que um ser que numa questão de dias irá morrer, acelere esse passo para "salvar" outras pessoas com grande hipótese de sobrevivência.


[Pequeno aparte]
como a bioética sempre me despertou aquele "bichinho" não resisti a tentar pôr o meu raciocínio no ecrã.. espero não ter cometido muitas falácias!! :)
De rolandoa a 27 de Agosto de 2007 às 15:24
Olá Clara,
Bem vinda á discussão. O que está em causa na doação de orgãos são os princípios morais utilitaristas.
chamo a atenção de um aspecto: a ciência moderna mostrou-nos uma série de conhecimentos sobre o nosso complexo sistema nervoso, com efeito, tal conhecimento não mostra todo o funcionamento da nossa mente. O determinismo radical defendia que todas as operaçõs mentais eram explicáveis pelo fisicalismo. Grosso modo, bastaria conhecer bem as unidades do sistema nervoso, para compreendermos a acção humana. Mas a moralidade, por exemplo, é algo que ultrapassa de longe os conhecimentos fisicalistas do sistema nervoso. Por essa razão, para tratar problemas como o aborto, estamos no plano da discussão racional e não somente no plano da discussão científica e se o feto tem ou não sistema nervoso formado. O conhecimento científico, em matérias da moralidade, funciona como auxiliar da reflexão racional e filosófica.
Finalmente, a bioética não está muito desenvolvida no nosso país. pensa-se que é matéria que cabe à religião tratar. Mas isso é completamente falso, para além de desonesto. As religiões funcionam com argumentos d autoridade pouco ou nada avançando para além dos seus habituais preconceitos. Um autor que já conhecemos e que dá umas luzes interessantes sobre bioética é o australiano Peter Singer, principalmente na obra introdutória, Ética Prática (Gradiva).
Oportunamente publicarei aqui um post de divulgação de bibliografia sobre bioética.
Volta sempre
Espero ter ajudado na clarificação de uma ou outra questão.
Rolando Almeida
De Ana Costa a 21 de Setembro de 2008 às 16:16
Olá!
Estou neste momento fazer um trabalho sobre os aspectos bioéticos em relação à anencefalia e dação de órgãos, pelo que achei muito interessante este post. Será que podiam recomendar-me bibliografia em relação a este tema? Encontro muito material sobre abortamento e anencefalia, mas não sobre a possibilidade de transplantação dos órgãos destas crianças.
Obrigada.
Ana Costa
De rolandoa a 21 de Setembro de 2008 às 21:40
Cara Ana,
Não sei se procura bibliografia filosófica ou clínica. Se procura fclínica não tenho conhecimentos para lha dar. Se procura filosófica pretende em português ou inglês ou ambas as línguas?
abraço
De Ana Costa a 22 de Setembro de 2008 às 08:19
Necessito sobretudo de informação mais relacionada com a clínica, mas estou igualmente interessada em ler um pouco mais sobre parte filosófica, pelo que se puder aconselhar bibliografia, em qualquer das línguas, agradeço imenso...
Abraço
De rolandoa a 22 de Setembro de 2008 às 11:10
Ana,
A bibliografia melhor que conheço sobre bioética em língua portuguesa é a de Peter Singer e James Rachels. Em lingua inglesa pode, por exemplo, começar pelo Companion To Bioetichs, organizado por Peter Singer e publicado pela Oxford. Estas obras, em língua inglesa encontra-as com facilidade quer no amazon americano, quer no inglês. Se estiver em Portugal encontra algumas obras traduzidas de Peter Singer e uma única de Rachels. Se me fala do brasil não sei de todas as edições existentes.
espero ter ajudado
De Ana Costa a 22 de Setembro de 2008 às 23:25
Sim, ajudou! Muito obrigada pela atenção.
Ana Costa
De rolandoa a 22 de Setembro de 2008 às 23:31
Volte sempre Ana
cumprimentos
De ddd a 8 de Fevereiro de 2009 às 12:15
Onde estrá a verdade, quem terá razão??
De rolandoa a 8 de Fevereiro de 2009 às 13:42
Caro ddd,
a verdade não é um estado absoluto a que se chegue e o assunto fica encerrado. isso acontece na ciência como na filosofia. A verdade em filosofia estabelece-se pelas teses mais cogentes, aquelas que apresentam argumentos racionalmente mais persuasivos, dado que os problemas filosóficos discutem-se racionalmente, não existindo para eles possibilidade de recurso à experiência. E existem técnicas para assegurar uma boa argumentação, técnicas essas cinetificamente sempre em aperfeiçoamento. Refiro-me tanto à lógica formal como à informal. Sem um domínio minímo da lógica é impossível elaborar uma argumentação sólida.
espero ter clarificado
Para a próxima vez agradeço que assine, caso contrário não posso responder às suas dúvidas.
De Maria a 11 de Abril de 2010 às 16:40
Olá Rolandoa.

Gostei muito do seu blog.
Eu vou começar este mês a fazer um trabalho final para filosofia que está relacionado mais ou menos com o que é discutido aqui, deste modo, necessitava de alguma ajuda sua, caso esteja disponível.
O tema central do trabalho é  "Ciência: poder e riscos" e o subtema " Extensão e substituição de órgãos"! E o meu pedido era que me indicasse os tópicos com os quais posso desenvolver.

Muito Obrigada pela atenção que dispõe.
Abraços

De rolandoa a 16 de Abril de 2010 às 13:39
Sobre o subtema em específico não conheço bibliografia em lingua portuguesa. Deve ter cuidado na escolha dos temas no que respeita à bibliografia disponível em Portugal. Mas pode consultar a Ética Prática do Peter Singer que é sempre a melhor referência e a mais acessível.

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS