Sexta-feira, 8 de Setembro de 2006

SUSPENSÃO DAS OLPF

Caros colegas,

Fui apanhado completamente em estado de surpresa a meados do mês de Agosto, período de férias, na única consulta que fiz na Internet, com a suspensão das OLPF.

Na verdade, são vários os pontos a referir que me assaltam, fora aqueles que com o tempo ainda virão à reflexão:

1 - As OLPF constituem o único documento nos últimos anos que veio a dar consistência aos conteúdos a ensinar na filosofia.

2 – Deixa de se colocar o problema dos manuais a adoptar, uma vez que, sem as OLPF, pode voltar-se à fanfarronice tola dos manuais sem critério científico válido, mas com imagens de Big Brothers e éticas de café (como é o caso do manual que a escola na qual lecciono adoptou).

3 – Apesar de inicialmente homologado, a maior parte dos colegas nem sequer teve tempo de analisar, implementar e compreender o documento das OLPF, apesar do mesmo ter sido vinculativo a partir de Setembro de 2005.

4 – Deixamos de ter ponta por onde se lhe pegue quando queremos apontar um qualquer erro de base a um colega (como tantas e tantas vezes acontece), uma vez que voltamos ao vale tudo, com um programa claramente aberto, com o qual, podemos ensinar temas sem referir, sequer, autores que, na maior parte das vezes, nunca foram lidos.

5 – Sem conteúdos próprios a disciplina é menos exigente, menos rigorosa na avaliação e qualquer tolo pode fazer o trabalho que muitos colegas costumam fazer, sendo que os colegas necessitam de um certificado que os habilita a dizer as tolices que muito bem lhes aprouver. Este ponto pode soar politicamente incorrecto, com efeito, é a realidade que é incorrecta uma vez que me apoio em factos em concretos para fazer estas afirmações.

6 - A suspensão das OLPF tornam irrelevantes todas as publicações do CEF (menos para aqueles que nelas têm interesse que, curiosamente, até é habitual serem os professores que mantém algum interesse por um ensino da filosofia com critério). A suspensão das OLPF tornam menor o trabalho da SPF/CEF, minimizando o seu poder de actuação no que respeita ao ensino da filosofia. O problema que aqui se coloca é a prepotência do Ministério ao pretender ter maior poder de decisão do que quem “sabe da poda”, o que é manifestamente inaceitável. Que competências reúnem os senhores decisores do Ministério para passar por cima de quem de Direito e Conhecimento?

7 - Já que o programa é aberto continuarei a leccionar segundo os pressupostos das OLPF, a bem da filosofia, do seu ensino, e da importância fundamental que esta disciplina pode ter na formação do raciocínio, atitudes e valores dos jovens neófitos. Como consequência continuarei a colocar de parte um manual que custa 30€ aos alunos, que me foi imposto (porque nunca me passaria pela cabeça escolher tão ordinário livro) e a recorrer a fotocópias e textos on line para, de vez, ensinar, como posso, FILOSOFIA.

8 -   Para que, de uma vez se saiba, a atitude do Ministério é a de TRAIÇÃO a quem trabalha com seriedade e a de brincar com quem ROUBA TEMPO Á VIDA para poder saber um pouco mais de Filosofia.

9. Com um programa aberto e tonto como o que está homologado, como deseja o Ministério que eu, enquanto professor, explique a pais e alunos os critérios de avaliação com rigor e de forma clara e objectiva? É que basta que um pai se dirija a uma escola diferente para perceber que se o seu educando atinge uma nota de 8 na escola A, pode atingir um  18 na escola B. Tudo isto como consequência da balbúrdia do programa e de um Ministério que deve ser responsável por não ouvir e dar crédito a quem de direito, no caso, o CEF.

 

OBS: este texto também pode ser lido em: http://www.cef-spf.org/

 

Rolando Almeida

publicado por rolandoa às 16:10

link do post | favorito
1 comentário:
De Luís Teixeira a 11 de Setembro de 2006 às 13:00
Bem antes demais espero que o professor tenha tido umas boas férias, para vir em força para o próximo ano lectivo que se espera duro e cansativo!
Quanto ao problema que o professor expõe, é de facto mau para a Filosofia, visto que ela tem sofrido constantes alterações. Caso a OLPF venha a ser suspensa (que parece ser o caso), dar Platão ou filosofar acerca do ''encontro de futebol do domingo passado'', será a mesma coisa (desculpe o exagero professor mas segundo o que interpretei do seu texto é isto que eu acho). Mais uma vez trata-se do caos que o ensino público nao está para as curvas.
SAUDAÇÕES...

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS