Domingo, 18 de Março de 2007

O que é a Filosofia?

Esta é uma questão menos inquietante quanto possamos pensar. Ou, pelo menos, é tão inquietante quanto a pergunta, o que é a Física, a Matemática ou a Biologia. Poderíamos responder que a Física trata dos fenómenos físicos ou que a Biologia é a ciência da vida. Mas estas são respostas circulares, a resposta não adianta nada à pergunta. Do mesmo modo podemos responder que a Filosofia é o conhecimento dos argumentos dos filósofos. Se pretendêssemos aprender pintura a primeira tarefa a esperar no nosso estudo seria começar a pintar. Do mesmo modo, a melhor forma de aprender filosofia é começar a filosofar. Mas como começar a filosofar? Afinal, para que serve a filosofia? Bem, já reformulamos a nossa questão. Poderíamos voltar a responder elaborando novas questões como, para que serve a matemática?, para que serve a pintura?, a música?, a Física?, etc… E poderíamos responder que a música serve para tocar música, bem como a filosofia serve para pensar com rigor. Nova questão: pensar o quê?
Aqui exige-se uma nova resposta: pensar os problemas filosóficos. E quais são os problemas filosóficos? Assim, parece, podemos esboçar algumas respostas. Se quisermos saber se existe vida em Marte, enviamos uma sonda a Marte e examinamos todos os pormenores do planeta alcançáveis pela sonda até saber se há ou não vida em Marte. Até hoje a experiência diz-nos que não há vida em Marte e esta é a nossa resposta para a pergunta se há ou não vida em Marte. Com a filosofia acontece algo bem diferente. Os problemas filosóficos são aqueles que existem na vida humana mas não podemos fazer experiências práticas para os resolver. Por exemplo, o problema do aborto é, antes de tudo, um problema moral. Os problemas morais jogam entre o que é o certo e o errado na acção humana. Não temos forma de saber pela experiência se o aborto é certo ou errado. Ainda que pedíssemos a 20 mulheres grávidas que abortassem para ver o resultado, nada concluiríamos sobre se o aborto é certo ou errado. Como sabemos então o que é o certo e o errado? Filosofando. E filosofar é pensar argumentos que nos possam indicar o que é o certo e o errado. Claro que este exercício não é fácil de fazer. Primeiro temos de saber o que achamos sobre o assunto, se achamos certo ou errado o aborto e, então, depois, temos de procurar as melhores premissas que justifiquem a nossa teoria, que é sempre a conclusão do argumento.
Por exemplo, posso pensar que o aborto é moralmente errado porque o feto é um ser humano e é errado matar um ser humano. Se seguir uma ética deontológica como a do filósofo Kant, penso sempre em agir conforme a minha máxima racional e, por essa razão, matar é sempre errado. Mas se, pelo contrário, seguir os preceitos éticos de Stuart Mill, penso a moral com conceitos diferentes, os de prazer e da dor (antes dos princípios racionais) e, nesse sentido, devo agir de modo a maximizar a maior felicidade para o maior número de pessoas. Neste caso, se um feto correr o risco de nascer deformado, não é moralmente errado abortá-lo.
Em conclusão, os problemas filosóficos, como os do gosto, na Estética, os morais, na Ética, os da existência de Deus, na filosofia da religião e os do conhecimento, na filosofia da ciência, são aqueles que não possuem resolução empírica (pela experiência) e, assim, tenho de os argumentar, conhecendo os argumentos clássicos dos filósofos e colocando a toda a prova racional os nossos argumentos que muitas das vezes mais não são que a expressão de um certo preconceito. Agora já somos capazes de dizer o que é a filosofia e para que serve.
 
Rolando Almeida
Publicado originalmente na revista de Filosofia da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco, ZarcoSofia, Nº1. Artigo escrito a pensar nos alunos do Ensino Básico
publicado por rolandoa às 14:47

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS