Sábado, 31 de Janeiro de 2009

Curiosidades

9789722037372 Sinopse

Se Aristóteles Fosse Administrador da General Motors tornou-se rapidamente num dos livros de gestão mais influentes e comentados dos últimos anos, nos EUA. Milhares de funcionários de grandes empresas como a Merrill Lynch, a GTE (General Telephone & Electronics Corporation) e a Coca-Cola assistiram a uma das mais importantes palestras que Tom Morris efectua como orador principal todos os anos, em seminários empresariais em todo o país. Morris, que foi professor de Filosofia na Universidade de Notre Dame durante 15 anos, electrifica estas audiências com os seus conhecimentos sobre o modo como a sabedoria ancestral pode ser usada para optimizar a moral e a produtividade em empresas de qualquer dimensão.

Em Se Aristóteles Fosse Administrador da General Motors Morris clarifica os ensinamentos dos mais sábios pensadores da história, transpondo-os para estratégias actuais estimulantes, para conferir nova energia ao espírito corporativo, e, para trazer de volta a alma às nossas vidas profissionais.

Dom Quixote

publicado por rolandoa às 13:36

link do post | favorito
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2009

Hospital das bonecas FpC

Digitalizar0001 Digitalizar0002 Para quem explora projectos ligados à filosofia para crianças, a Dinalivro publicou, no final do ano passado, a obra, O Hospital das bonecas e o respectivo manual do professor. Esta edição reveste-se de particular interesse já que além da pequena obra, o professor tem disponível a recomendação de planificação. A tradução é de Zaza Carneiro de Moura, nome pioneiro na FpC em Portugal. A obra é de Ann Margaret Sharp e é publicada com o apoio do Centro Português de Filosofia para Crianças, da SPF. Ainda não me tinha apercebido desta edição.

Ann Margaret Sharp, Hospital das bonecas, Dinalivro, 2008

Ann M. Sharp e Laurence Joseph Splitter, Compreendendo o meu mundo – manual do professor para o hospital das bonecas, Dinalivro, 2008

publicado por rolandoa às 22:05

link do post | favorito
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

Bilhardice

 

Acabei de descobrir que o filósofo a quem eu atribuiria de bom grado o prémio nóbel de qualquer coisa por ter escrito os magnificos volumes, Philosophy files, além de alpinista e ciclista também toca bateria num grupo de circuito de pubs. Stephen Law é mesmo o filósofo das aventuras.

publicado por rolandoa às 14:39

link do post | favorito
Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009

Dinheiro como valor instrumental para a felicidade

Sem título Hoje deparei-me com um inquérito no portal da Sapo sobre uma conferência do tema “dinheiro / felicidade” o inquérito questiona os visitantes se o dinheiro é ou não é felicidade ou se ajuda a ser feliz. Claro que a resposta exige múltiplos argumentos e contra argumentos. Mas, para abreviar, se nos centrarmos na tese que defende que o dinheiro traz felicidade basta pensar nos milhares de casos em que as pessoas tem dinheiro mas não são felizes, casos esses que constituem bons contra exemplos. Isto para não pensar que o próprio dinheiro é que acarreta infelicidade numa parte significativa dos casos dos ricos infelizes. Uma das razões pela qual isto acontece com alguma frequência é porque as pessoas, no geral, tendem a confundir valores últimos com valores instrumentais. Ora, o dinheiro, independentemente se é um acontecimento bom ou mau possui um valor instrumental. Como valor instrumental ele tanto pode como não contribuir para a felicidade de alguém. Uma das excelentes leituras que me lembro de ter feito sobre este problema é a de Peter Singer, Como havemos de viver? A ética numa época de individualismo, Dinalivro. Mas também recordo um capítulo de um ensaio do filósofo francês Pascal Bruckner que diz qualquer coisa como (adaptado): “se o dinheiro não vos tráz felicidade podem depositá-lo na minha conta (pedir NIB)”.

publicado por rolandoa às 11:14

link do post | favorito
Sábado, 24 de Janeiro de 2009

Empregabilidade em filosofia

stelarc3 O Vitor Guerreiro no blog da Crítica chamou a atenção para um interessante artigo que mostra o crescente mercado de emprego para licenciados em filosofia no mundo anglófilo. O que o artigo diz não é nada de novo. Resumidamente refere que a licenciatura em filosofia habilita os estudantes de capacidades analíticas e críticas que são muito aproveitáveis no mundo dos negócios. Ora bem, isto soa estranho no nosso país por duas razões especiais:

1) Porque existe o preconceito generalizado de que a filosofia não serve para ganhar dinheiro. Aliás, um dos clichés de muitos licenciados em filosofia é que foram para o curso por pura vocação e não para ter um emprego (cliché usado por muitos que fazem da filosofia o seu primeiro sustento). A vocação é sem dúvida importante e nem toda a gente tem vocação filosófica. Mas não há problema algum em fazer da filosofia uma fonte de rendimentos. Eu faço ao ensinar filosofia e estimo a minha profissão precisamente porque me pagam para estudar e ensinar o que mais gosto, filosofia.

2) A. Porque os cursos de filosofia em Portugal pura e simplesmente não desenvolvem qualquer capacidade crítica nos estudantes. O que desenvolvem é admiração cega pelos pavões. Por muito desagradável que possa ser, a realidade é esta. Na maior parte das disciplinas dos cursos de filosofia, o estudante limita-se a seguir a tese do mestre, sem qualquer possibilidade de a discutir.

B. as teses dos mestres dos cursos de licenciatura em filosofia em Portugal não são também, na maioria das vezes, sequer, teses que se discutam porque não obedecem a qualquer estrutura do discurso argumentativo.

Por estas razões que aqui toscamente abrevio, quando falamos de filosofia não estamos a falar do mesmo se nos referirmos a Portugal e aos Estados Unidos, por exemplo. Aliás, o artigo refere a importância do estudo da lógica formal. Ora o estudo da lógica nos cursos em Portugal aparece como uma disciplina isolada que não tem qualquer aplicabilidade nas restantes disciplinas. E não tem pois os outros mestres nem sequer sabem lógica, desprezando-a.

Finalmente uma observação: já por diversas vezes referi que não interessa se os mestres da filosofia em Portugal fazem ou não estudos singulares e bons. Sobre isso nada tenho a dizer. O que coloco em causa é que os estudantes não foram estudar filosofia para se tornarem admiradores dos mestres, logo, não tem que levar com as suas teses mais sofisticadas. Tem de ter a base e é essa base que os mestres deviam ensinar, dotando os estudantes das capacidades básicas para poderem eles também, um dia produzir as suas teses. Muitas vezes ouço profissionais da filosofia queixarem-se que o mundo de hoje não está preparado para compreender a filosofia. Não alinho neste discurso e ele é até falso, já que nunca como nos nossos dias existiram tantos cursos de filosofia e tantos filósofos, de resto, exactamente o mesmo que se passa com a ciência. Agora é possível que a imagem pública da filosofia em Portugal ande bastante por baixo. Mas isso não se deve a que as pessoas não liguem à filosofia. É que a filosofia que se pratica nos nossos cursos não desperta qualquer interesse para a maioria das pessoas e assim não é de estranhar que os cursos fechem e que a filosofia do 12º ano tenha tido uma morte sem ninguém se dar conta, nem mesmo os mestres da universidade, que desprezaram tanto o secundário, mas que sempre viveram na sombra dele. A seu tempo regressarei a estes temas.

A imagem é do performer Stelarc

publicado por rolandoa às 15:04

link do post | favorito
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009

Crítica

Sem título A Crítica é uma das publicações de filosofia em língua portuguesa mais antigas e que reúne um dos maiores arquivos de filosofia contemporânea em língua portuguesa. Na Crítica encontramos traduções exclusivas de textos centrais no desenvolvimento da filosofia contemporânea. São mais de 1000 artigos das mais diversas áreas da filosofia. A Crítica paga o trabalho que envolve a edição e tradução de textos, bem como a redacção de artigos originais. Foi pela Crítica que comecei a estudar uma boa parte da filosofia contemporânea e a revista acabou por me despertar um renovado interesse pela filosofia. Na altura imprimia praticamente todos os artigos e tenho um arquivo que mais parece uma enciclopédia. Rapidamente me apercebi que se comprasse estes artigos reunidos em livro, pagava caro e resolvi então apoiar a Crítica com donativos, já que me fazia todo o sentido pagar um trabalho imenso que me era tão útil tanto para a minha formação pessoal, como profissional. Pouco mais tarde a Crítica passou a edição paga e tornei-me seu assinante. Esta foi a forma encontrada para ajudar esta publicação que me tem sido tão útil. Se este trabalho for financeiramente apoiado o mais provável é que cresça e melhore a sua qualidade. Para além de tudo uma subscrição da Crítica durava-me 6 meses e custava menos que um livro. De acordo com a aprendizagem que vou fazendo senti a obrigação de contribuir com alguns textos de divulgação para a revista. Não colaborei tanto quanto desejo, mas vi publicados alguns textos curtos na revista. Aprendi também com a revista que essa era a forma correcta de incentivar a comunidade filosófica de língua portuguesa a sujeitar à discussão pública os seus trabalhos, de resto, uma das ferramentas da argumentação filosófica, a da livre discussão. Muitas vezes ouço dizer que a Crítica deveria ser gratuita. Na verdade a revista disponibiliza uma parte do seu arquivo de forma gratuita, mas se for totalmente gratuita não pode pagar aos seus autores e, dessa forma, disponibilizar uma quantidade razoável de textos e traduções com qualidade. A Crítica é um investimento feito e tal como quando vamos à livraria não esperamos que o livreiro nos ofereça o livro que queremos ler, não temos qualquer razão para pensar que a Crítica nos deva oferecer o texto que queremos ler. Há várias formas de ajudar a Crítica, a principal, são as subscrições semestrais, mensais ou diárias. Outra delas é muito simples, basta clicar na publicidade que aparece na revista.

publicado por rolandoa às 22:42

link do post | favorito
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009

O sentido da existência

publicado por rolandoa às 00:53

link do post | favorito
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009

Pedagogia em discussão precisa-se!

O recente post do Rerum Natura que apresenta um excerto de uma entrevista para o DN de Nuno Crato, matemático e divulgador de ciência, espoletou uma pequena discussão que merece maior amplitude. Em termos brutos a tese de Crato é que o ensino baseado no romantismo construtivista trouxe péssimos resultados tratando-se também de um modelo que coincide com o pensamento único em matéria de educação. Este modelo, grosso modo, defende a autonomia de cada um na construção o seu próprio conhecimento. A realidade, com efeito, mostra-nos o contrário. O sistema educativo português está, segundo Crato e outros autores, fortemente afectado por este modelo e os resultados são estudantes que possuem cada vez mais habilitações, mas cada vez menos conhecimento, resultando numa deficiência cognitiva que nos tem deixado em posições nos rankings bastante abaixo do que é desejável por todos.

 

publicado por rolandoa às 15:27

link do post | favorito

O que é a arte?

 P913819D797108G_px_470__w_ouestfrance_livro_362 O livro de Nigel Warburton, o que é a arte, Bizâncio, começa com uma aparentemente chocante descrição de um artista que envia um pavão vivo em sua representaçao a uma exposição de arte. Recentemente o artista David Cerny tem gerado polémica com a sua obra “Entropa”. Razões de sobra para discutir publicamente o problema filosófico sobre “o que é a arte?”. E razões ainda mais fortes para ler e reler o livrinho de Warburton que nos oferece um suporte argumentativo suficientemente sólido para nos iniciarmos nesta discussão sem ter de dizer tolices nem proferir ideias feitas ou lugares comuns.

publicado por rolandoa às 12:24

link do post | favorito

Sobre a falência das pedagogias românticas

eduques A teoria das competências, nesta forma extrema que tem sido adoptada em Portugal, diz que o conhecimento por si não vale – só vale se for transformado em acção. Tudo isto são radicalismos muito grandes, de correntes pedagógicas que não fazem esse equilíbrio que defendemos.

O que quer dizer com suicídio do mundo ocidental?
A falta de valor que é dado ao conhecimento, a ideia de que todo o conhecimento só interessa se conferir competências, a simplificação do ensino que é o processo de Bolonha...

Entrevista a Nuno Crato. Ler o resto aqui.

publicado por rolandoa às 00:51

link do post | favorito
Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

Informações Gabinete PROJECT@

Do gabinete PROJECT@ chegaram estas informações…

Ver mais... )
publicado por rolandoa às 21:53

link do post | favorito
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Como redigir um ensaio filosófico

writing_tablet As instruções para redacção bem como de avaliação de um ensaio argumentativo encontram-se aqui (basta clicar no “aqui” ou na imagem para aceder).

publicado por rolandoa às 16:14

link do post | favorito

Retórica e filosofia

ilusao-de-otica-13 O progresso da filosofia não se faz pela mera persuasão de um auditório, mas pela descoberta da verdade. É um facto que é difícil descobrir a verdade nas áreas investigadas pela filosofia. Mas o facto de a verdade ser difícil de conhecer não justifica que a troquemos por meros processos de persuasão. Se a verdade é difícil de conhecer, como um caçador que quer apanhar uma presa difícil, devemos armar-nos com as nossas melhores armas, que são a lógica formal e informal. Usar a retórica significa apenas que abandonámos a busca da verdade e decidimos trocar a realidade pela aparência, o conhecimento pela ilusão.

Luís Rodrigues, Filosofia 11, Plátano, 2008

publicado por rolandoa às 15:36

link do post | favorito

E se a filosofia gerasse tanto dinheiro como o futebol

cristiano-ronaldo-3

Vamos começar com uma experiência prática. Se numa turma de vinte alunos do secundário acima da média, perguntar quantos deles querem ser médicos, com facilidade obtenho 8 a 10 respostas afirmativas, mais 5 ou 6 que querem a área da saúde, enfermeiros, por exemplo, sendo que os restantes optam por áreas como a engenharia ou informática. Quererá isto dizer que vivemos num país com forte apetência para as ciências da saúde? Infelizmente a resposta é não.

Rolando Almeida

Ver mais... )
publicado por rolandoa às 10:13

link do post | favorito
Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009

Relativismos objectivos

image Ponha um relativista moral diante de uma criança inocente a gritar por estar a ser torturada. Pergunte-lhe se ele ainda pensa que o que está a ser feito é apenas relativamente errado.

Peter Cave, Duas vidas valem mais que uma? Enigmas filosóficos que o vão surpreender, Academia do Livro, 2008

publicado por rolandoa às 01:10

link do post | favorito
Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

Freedom of speech

article-1079684-023482AF000005DC-545_468x286

“É provável que deus não exista”

publicado por rolandoa às 13:43

link do post | favorito

Filosofia agora!

Digitalizar0001 Mais um número da prestigiada revista de filosofia Philosophy Now, o de Novembro/Dezembro de 2008 com destaque para a Utopia.

publicado por rolandoa às 13:35

link do post | favorito
Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Questões para 2009

School.Best Teacher Slate.(SC1002).(1.66x2.17).6620 Se no modelo simplex de avaliação dos professores cai a avaliação da componente científica pedagógica, o que resta então para avaliar de um professor? O que se espera de um professor português segundo este modelo da treta? Espera-se tudo, menos o que deveria esperar-se, que o professor saiba o que tem para ensinar. Deve ser esta a razão que explica que nas reuniões recentes de avaliação de 1º período fez com que uma colega que foi mais exigente com as avaliações dos alunos, se sentisse na obrigação de justificar tudinho, ao passo que os outros colegas, incluindo-me, que provavelmente foram mais condescendentes com o sistema ficaram o tempo todo calados. Resumindo: eu sou professor de filosofia do ensino secundário. Em lado algum é pressuposto que eu saiba filosofia. Posso até nem saber, nem querer saber, desde que mantenha uma boa relação com os alunos, participe num qualquer projecto da escola, realize formação continua (75% pode ser em tapeçaria e pintura de azulejos). O somatório destes factores pode fazer de mim um professor que reúne condições para progredir. E eu, professor de filosofia, posso progredir a vida toda mesmo sem saber filosofia e sem qualquer mecanismo que possa aferir se realmente estou ou não a fazer um trabalho rigoroso, como o exame nacional. Isto é, sem mais dramas, o que se pode esperar de um professor para 2009.

publicado por rolandoa às 21:45

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS