Terça-feira, 28 de Novembro de 2006

A moralidade dos animais não humanos

Uma vez que tanto os seres humanos como os não humanos podem sofrer, temos iguais razões para não maltratar qualquer deles. Se um ser humano é torturado, porque razão é isso errado? Porque ele sofre. Por analogia, se um ser não humano é torturado, também sofre, e por isso é igualmente errado e pela mesma razão. Para Bentham e Mill, esta linha de raciocínio era decisiva. Humanos e não humanos têm igual direito à consideração moral.
     No entanto, esta perspectiva pode parecer tão extrema, na direcção oposta, como a perspectiva tradicional que não concede aos animais qualquer lugar independente no plano da moralidade. Devem os animais ser de facto encarados como iguais aos seres humanos? Em alguns aspectos, Bentham e Mill pensavam que sim, mas tiveram o cuidado de sublinhar que isso não significava que animais e humanos tenham de ser sempre tratados da mesma maneira. Há diferenças factuais entre eles que com frequência justificam diferenças de tratamento. Por exemplo, uma vez que os seres humanos têm capacidades intelectuais que faltam aos animais, são capazes de sentir prazer em coisas que os seres não humanos são incapazes de fruir – os seres humanos podem fazer matemática, apreciar literatura,e assim por diante. De modo análogo, as suas capacidades superiores podem torná-los capazes de frustrações e desapontamentos de que os outros animais não podem ter experiência. Por isso, o nosso dever de promover a felicidade implica o dever de promover esses prazeres especiais para eles, bem como de prevenir qualquer tipo de infelicidade à qual são vulneráveis. Ao mesmo tempo, no entanto, na medida em que o bem estar dos outros animais é afectado pela nossa conduta, temos o dever moral estrito de tomar isso em conta, contando o seu sofrimento de modo igual ao de um sofrimento semelhante de que um ser humano tenha experiência.
     Os utilitaristas contemporâneos têm por vezes resistido a este aspecto da doutrina clássica, e isso não é surpreendente. O nosso «direito» de matar, fazer experiências ou usar os animais de outras formas que queiramos parece à maioria de nós tão óbvio que é difícil acreditar que estamos realmente a comportar-nos tão mal como Bentham e Mill insinuaram. No entanto, alguns utilitaristas contemporâneos avançaram argumentos poderosos para mostrar que Bentham e Mill tinham razão. O filósofo Peter Singer, num livro com o estranho título de Libertação Animal *(1975), insistiu, seguindo os princípios estabelecidos por Bentham e Mill, que o nosso tratamento dos animais não humanos é profundamente incorrecto.
 
James Rachels, Elementos de Filosofia Moral, Gradiva, 2005, pp.145-146
 
* Esta obra está traduzida em Portugal. Peter Singer, Libertação Animal, Via óptima, Porto, 2000
publicado por rolandoa às 22:10

link do post | favorito
Domingo, 26 de Novembro de 2006

Legalização do Aborto: Sim ou Não?

NOTA INTRODUTÓRIA: A autora do texto, Carolina Freitas, aluna do 11º ano, Turma 5, da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco, solicitou uma republicação do seu texto, uma vez revisto o mesmo e reforçando-o com mais algumas premissas que melhor confirmem a sua posição em relação ao problema do aborto. da minha parte agradeço e incentivo para que continue este seu trabalho de pesquisa. Neste blog aparecem referências a leituras onde se expõe os argumentos mais fortes usados pelos filósofos contra e a favor do aborto.
Rolando Almeida
Legalização do Aborto: Sim ou Não?
      Quando nos deparamos com a questão do aborto, perante muitas pessoas estamos face a uma questão aberrante.
A opinião de muitos é a de que o feto é um ser vivo consciente e, como tal, o aborto é um assassinato. Quero ainda referir que é sempre melhor optar pela prevenção e pela responsabilidade. O uso de métodos contraceptivos é uma forma de precavermos situações mais complexas e que impliquem decisões difíceis, como a de a abortar ou não.
     É belo educar e ser-se pais, mas uma situação de aborto pode desencadear processos de arrependimento, sentimentos de culpa e consciência atribulada que é preferível evitar, mas que acontecem.
Na minha opinião sou a favor do aborto. Quando assumimos ter um filho, queremos o seu bem e a melhor qualidade de vida. Se estivermos perante a questão de uma família com necessidades podemos sempre questionar se vale a pena dar uma vida com extremas dificuldades ao nosso filho, para, mais tarde, sofrer consequências psicológicas e sociais? E quando estamos perante um caso de violação, parece ser mais consensual o aborto. Mas nesse caso também não estaremos a matar um feto não desejado? Muitos países têm já o aborto legalizado.  Porque temos de ser diferentes? Será que uma mulher não é livre de decidir, em vez de viver uma vida de revolta e deitar a perder um futuro que podia ser melhor decidido? Se liberdade todos temos e esta está sempre associada à responsabilidade, tendo consciência das consequências, liberdade de escolha e ter consciência que estamos perante um aborto, já não teremos reflectido antes de agir? Não será motivo forte?
     Para além do mais, em muitos casos, para as mulheres torna-se uma situação de humilhação, descriminação social e revolta uma gravidez não desejada. Temos o exemplo da gravidez precoce na adolescência.
De facto, os métodos contraceptivos são importantes e assim evitam-se gravidezes indesejáveis. E se, ainda assim, uma pessoa toma precauções e tem um azar?
     E já que estamos estamos a falar de métodos contraceptivos, não estará o Estado indirectamente a contribuir para um “aborto” quando nos centros de saúde sabemos que é fornecido a pílula do dia seguinte?
Será o feto o mais prejudicado, ou a mãe que terá o peso de se responsabilizar pela sua educação, futuro e que irá reflectir-se na escolha feita pela sociedade?
     Ainda assim, temos o exemplo dos orfanatos em que as crianças vivem lá toda a sua vida e com condições por vezes precárias, por vezes com ou sem ajudas do Estado, geralmente sem. Não seria para o Estado e para as próprias crianças
melhor não terem de passar por situações destas e já que estamos perante uma política em que governam os interesses e não o bem estar da população, não seria melhor ao Estado "poupar-lhe"  assuntos ligados a esta natureza.
     Ainda assim a ignorância por parte das pessoas em não terem uma opinião
sobre o assunto, ou porque vão atrás de opiniões alheias ou porque de nada sabem e votem por votar. As pessoas não se questionam porque é algo que não são do seu interesse ou importância até ao momento em que lhes acontece algo semelhante ou até mesmo por dificuldades em abertura à mentalidade e flexibilidade em lidar com assuntos do género. De pouco serve a opinião que têm, daí a legalização do aborto ser um impasse.
     Será que não existem bebés inocentes a servirem de experiências científicas? Será que o feto tem consciência que existe? Não, e se não tem, será que sente que o matam? Não. Não será preferível legalizar o aborto, em vez de abortos clandestinos ou até mesmo, para aqueles que podem, dirigirem-se ao país vizinho e fazer um aborto que é legalizado?
     Cada indivíduo irá contribuir para a existência de uma sociedade, daí que seja importante racionalizar as escolhas individuais.
     A minha resposta mais livre é que sim, sou a favor do aborto, mas para evitar situações de ânimo leve e que estas se venham a repetir várias vezes, o aborto deverá ser permitido até aos três meses de gravidez.
 
 
Carolina Freitas
Aluna do 11º 5 da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco - Funchal
publicado por rolandoa às 17:10

link do post | favorito
Sábado, 25 de Novembro de 2006

A Filosofia Moral de Mill

 
 
A ética normativa é a parte da ética que estuda como devemos agir, ou que tipo de pessoa devemos ser. No âmbito da ética normativa, Mill é um consequencialista. O consequencialismo é uma teoria composta por duas partes: uma teoria do bom e uma teoria do correcto. A primeira trata de determinar que estados de coisas são bons, fornecendo também, geralmente, critérios para os comparar – critérios que determinam qual o melhor estado de coisas entre vários. A teoria do correcto trata de determinar o que devemos fazer. De acordo com o consequencialismo, o correcto consiste em maximizar o bom, ou seja, consiste em gerar o melhor estado de coisas possível, se esse estado de coisas ainda não existe, ou em preservá-lo se já existe.
     O consequencialismo, tal como formulado, pode parecer uma posição inócua e trivial, mas não o é. Há teorias normativas, «não consequencialistas», que defendem uma relação diferente entre a teoria do bom e a teoria do correcto. Uma teoria não consequencialista típica começa por especificar uma teoria do bom, mas nega, de seguida, que o correcto consista sempre em maximizar o bom.
     O seguinte exemplo ilustra a diferença entre o consequencialismo e o não consequencialismo. Suponhamos que um consequencialista e um não consequencialista têm a mesma teoria do bom. De acordo com essa teoria do bom, um estado de coisas em que dez pessoas são mortas é melhor em que um estado de coisas em que duas pessoas são mortas.     
     O consequencialista e o não consequencialista deparam-se agora com uma situação em que a única maneira de evitar que dez pessoas morram é matar duas pessoas. O consequencialista dirá: se tivermos de escolher entre esses dois estados de coisas, então, dado que o correcto consiste em maximizar o bom, o correcto será matar essas duas pessoas. O não consequencialista, como não acredita que o correcto consista sempre em maximizar o bom, pode dizer que o correcto não consiste, nesse caso, em matar as duas pessoas, mas sim em deixar as outras dez morrer.
 
Pedro Madeira, in. Prefácio de John Stuart Mill, Utilitarismo, Gradiva, 2005
 
 
 
Notas: Esta teoria aparentemente simples está na base de argumentos defendidos, entre outros, pelo filósofo Peter Singer explorando temas complexos da ética aplicada, entre os quais, o do aborto tão em destaque nos nossos dias em Portugal.
publicado por rolandoa às 03:10

link do post | favorito

A Moral Anarquista

Nesta obra, partindo da observação da sociabilidade presente nas diferentes espécies animais e abordando diversas posições filosóficas sobre a moral, o autor debate-se com os problemas que nos conduzem, em última instância, ao confronto com a própria vocação e destino do Homem, oferecendo uma reflexão indispensável para a compreensão das diferentes épocas que marcaram a grande narrativa da história da Humanidade, assim como dos tempos em que vivemos.
     Em A Moral Anarquista, o autor esboça um trajecto onde os grandes problemas e princípios éticos anarquistas são analisados de uma forma clara e precisa, contribuindo para a supressão dos preconceitos que muitas vezes envolvem esta doutrina sociopolítica.
Nota: texto retirado da contracapa do livro
Piotr Alexeevich Kropotkine, A Moral Anarquista, Edições Sílabo, 2006
publicado por rolandoa às 03:07

link do post | favorito
Terça-feira, 21 de Novembro de 2006

Legalização do Aborto: Sim ou Não?

Quando nos deparamos com a questão do aborto, perante muitas pessoas estamos face a uma questão aberrante.
     A opinião de muitos é a de que o feto é um ser vivo consciente e, como tal, o aborto é um assassinato. Quero ainda referir que é sempre melhor optar pela prevenção e pela responsabilidade. O uso de métodos contraceptivos é uma forma de precavermos situações mais complexas e que impliquem decisões difíceis, como a de a abortar ou não.
     É belo educar e ser-se pais, mas uma situação de aborto pode desencadear processos de arrependimento, sentimentos de culpa e consciência atribulada que é preferível evitar, mas que acontecem.
     Na minha opinião sou a favor do aborto. Quando assumimos ter um filho, queremos o seu bem e a melhor qualidade de vida. Se estivermos perante a questão de uma família com necessidades podemos sempre questionar se vale a pena dar uma vida com extremas dificuldades ao nosso filho, para, mais tarde, sofrer consequências psicológicas e sociais? E quando estamos perante um caso de violação, parece ser mais consensual o aborto. Mas nesse caso também não estaremos a matar um feto não desejado? Muitos países têm já o aborto legalizado.       
     Porque temos de ser diferentes? Será que uma mulher não é livre de decidir, em vez de viver uma vida de revolta e deitar a perder um futuro que podia ser melhor decidido? Se liberdade todos temos e esta está sempre associada à responsabilidade, tendo consciência das consequências, liberdade de escolha e ter consciência que estamos perante um aborto, já não teremos reflectido antes de agir? Não será motivo forte?
     Para além do mais, em muitos casos, para as mulheres torna-se uma situação de humilhação e revolta uma gravidez não desejada. Temos o exemplo da gravidez precoce na adolescência.
     De facto, os métodos contraceptivos são importantes e assim evitam-se gravidezes indesejáveis. E se, ainda assim, uma pessoa toma precauções e tem um azar?
     Será que o feto tem consciência que existe? Não, e se não tem, será que sente que o matam? Não.
     A minha resposta mais livre é que sim, sou a favor do aborto, mas para evitar situações de ânimo leve e que estas se venham a repetir várias vezes, o aborto deverá ser permitido até aos três meses de gravidez.
 
Carolina Freitas
Aluna do 11º 5 da Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco - Funchal
publicado por rolandoa às 22:30

link do post | favorito
Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Emotivismo Moral

 
      Outra teoria metaética importante é conhecida como emotivismo ou não cognitivismo. Os emotivistas, como A. J. Ayer (1910-1988) no capítulo 6 de Linguagem, Verdade e Lógica, defendem que as afirmações éticas não significam nada. Não exprimem quaisquer factos; o que exprimem é a emoção do locutor. Os juízos morais não têm nenhum significado literal; são apenas expressões de emoção, como resmungos, bocejos ou gargalhadas.
      Logo, quando alguém diz «A tortura está errada» ou «Devemos dizer a verdade», está a fazer pouco mais do que mostrar o que sente em relação à tortura e à honestidade. O que dizem nem é verdadeiro nem falso: é mais ou menos o mesmo que gritar «Abaixo!» perante a tortura e «Viva!» perante a honestidade. Na verdade tem-se chamado por vezes ao emotivismo a teoria do abaixo / viva. Tal como quando uma pessoa grita «Abaixo!» ou «Viva!» não está geralmente apenas a mostrar como se sente, mas também a tentar encorajar as outras pessoas a partilhar o seu sentimento, também, com as afirmações morais, o locutor está frequentemente a tentar persuadir alguém a pensar da mesma maneira acerca do tema em causa.
 
Nigel Warburton, Elementos Básicos de Filosofia, Gradiva, p.102
 
Obs: Warburton está, obviamente, nesta passagem a mostrar as insuficiências do emotivismo e relativismo morais. Brevemente publica-se outros desenvolvimentos. Infelizmente este excelente manual (text book) encontra-se esgotado no mercado português. Esperamos que se preveja uma segunda edição. Além de tudo esta é uma das poucas obras altamente recomendáveis a alunos do secundário publicadas na nossa língua. Segundo sei, existem às centenas em língua inglesa! Em boa verdade, este livro substituiria, com bom grado, muitos dos maus manuais que existem no ensino secundário. Este é o manual que eu gostaria de ter tido, pese embora, honras feitas ao excelente A Arte de Pensar, Didáctica Editora.
Rolando Almeida
publicado por rolandoa às 00:24

link do post | favorito
Sábado, 18 de Novembro de 2006

Só sei que não sei nada?

Que tal pegar em 30 máximas famosas da filosofia e questionar o que é que podemos fazer com elas na nossa vida quotidiana? Esta é a proposta de Solo sé que no sé nada?, obra conjunta de Manuel Guell e Josep Muñoz. Não se tratando de uma edição propriamente recente (é de Janeiro de 2001 a reimpressão para segunda edição que tenho em mãos), com efeito, merece destaque pela simplicidade e originalidade com que algumas máximas são escrutinadas.
     O livro está dividido em 30 capítulos, cada um deles referindo uma máxima de um filósofo e, no final de cada capítulo, vem um manual de instruções. Esta obra deve ler-se sempre tendo em atenção o lugar irónico com que, na vida, podemos usar a cultura filosófica. A máxima explorada de Aristóteles é a de que “todo o ser humano deseja por natureza saber”. Não é sem a tal ironia que, nas instruções de uso, os autores referem “Os médicos, os maestros, os cientistas, os psicólogos, os economistas confirmam-nos, dia após dia, com a sua prática profissional, a premissa contrária: toda a gente deseja por natureza não saber” (p.75). Prossegue: “Não queremos saber nem sequer os limites da nossa ignorância, não queremos saber nem o que não sabemos…., de que vamos viver, de que vamos morrer, o que desconhecemos, qual o estado da nossa saúde, a quantia disponível em saldo bancário, o tamanho do buraco na camada de ozono ou a importância da nossa neurose.” (p.75). Defendem os autores que despertar o leitor com uma boa dose de optimismo aristotélico é sempre recomendável, o mínimo para justificar a curiosidade, ainda que seja somente intelectual, uma espécie de, digo, evitar os excessos de uma euforia perpétua, na expressão de Pascal Bruckner.
     Solo sé que no sé nada? resulta num descomplexado corolário de algumas das mais brilhantes prerrogativas da história da filosofia, para além de constituir uma pequena e bem contada história da filosofia, desde Platão, Séneca, Kant, Heidegger, Bertrand Russel ou Karl Popper.
 
Manuel Guell y Josep Muñoz, Solo sé que no sé nada?, 2ª ediç., Ariel, Barcelona, 2001
publicado por rolandoa às 16:53

link do post | favorito
Sexta-feira, 17 de Novembro de 2006

16 de NOVEMBRO DE 2006, DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA

As novas práticas filosóficas
 
 
     Nos dias 15 e 16 de Novembro de 2006 (o Dia da Filosofia é móvel e celebra-se na 3ª quinta-feira de Novembro) realiza-se em Paris, sob os auspícios da UNESCO, um colóquio intitulado “A filosofia como prática educativa e cultural: uma nova cidadania”, organizado pela comissão francesa de “Novas Práticas Filosóficas”.
 
      Na divulgação deste colóquio afirma-se, nomeadamente, que “a filosofia não é uma actividade supérflua ou reservada a uma elite, sendo pelo contrário essencial à vida. A emergência de numerosas práticas nos últimos anos, tais como a filosofia para crianças, os cafés filosóficos, os ateliers de filosofia em bibliotecas ou livrarias, o aconselhamento filosófico, os sucessos editoriais filosóficos para o grande público, são algumas das provas da vivacidade renovada desta disciplina.       
     Alguns países, como a Bélgica, a Austrália, a Noruega e o Brasil tomaram já decisões no que se refere à iniciação à filosofia desde a escola primária.”
 
     Com efeito, desde há mais de três décadas que surgiram numerosas tentativas de trazer a filosofia ao grande público, encarando-a não como uma mera transmissão de conhecimentos e de ideias de autores, mas como uma prática de desenvolvimento do pensamento e da capacidade de julgar.  
     Nesta perspectiva, a filosofia é vista como uma actividade com uma dimensão educativa transversal, como um espaço de discussão e de elaboração de um pensamento autónomo, crítico e criativo.
     Uma tal abordagem visa atingir evidentemente um público muito alargado, não se limitando ao sector restrito a quem a filosofia tradicionalmente se destinava.
 
     Um dos pioneiros deste movimento inovador foi sem dúvida Matthew Lipman, um filósofo americano contemporâneo, que em 1969 iniciou o seu trabalho com crianças, tendo criado um programa, hoje conhecido em todo o mundo – Filosofia para Crianças, que inclui histórias para todas as idades.
     Estas histórias filosóficas (acompanhadas dos respectivos manuais para os professores) destinam-se ao debate de questões filosóficas na sala de aula a partir de histórias do quotidiano, em que estão contidos os grandes temas da filosofia e as posições dos diversos autores, sem que os mesmos sejam mencionados.
     O objectivo destas histórias é pôr as crianças a pensar de uma forma autónoma, mas não individual. Bem pelo contrário, as aulas de filosofia para crianças são um exemplo de diálogo partilhado, ou seja, de uma reflexão feita em grupo, a que Lipman chamou a “comunidade de investigação” ou de questionamento.
     Este método, que se espalhou em todo o mundo, pode ser utilizado com grupos de pessoas de todas as idades.
     A Filosofia para Crianças foi trazida para Portugal no final dos anos 80 pela Sociedade Portuguesa de Filosofia e continua a ser divulgada por intermédio dos três centros de filosofia para crianças actualmente existentes, através de acções e cursos de formação para professores de todos os níveis de ensino e do trabalho directo com grupos.
     Hoje em dia existem outros métodos de praticar a filosofia com crianças além do de Matthew Lipman, embora os objectivos sejam basicamente os mesmos.
 
     Entretanto outros autores têm vindo a desenvolver a vertente prática e aplicada da filosofia.
      Na década de 80 surge na Alemanha, com Gerd Achenbach, o chamado Aconselhamento Filosófico, que considera o diálogo o seu instrumento fundamental e que atingiu a sua maior expansão a nível mundial na década de 90.
     Em Portugal, o Aconselhamento Filosófico, embora já existente, institucionalizou-se com a criação em 2005 da APAEF (Associação Portuguesa de Aconselhamento Ético e Filosófico).
      Para quem tem dúvidas acerca desta prática, é importante esclarecer que o aconselhamento filosófico não é uma técnica terapêutica, mas um processo complementar, uma tentativa de ajudar “pessoas normais a resolver problemas normais”, ou seja, é uma forma de criar um espaço livre onde as pessoas usam a filosofia para desenvolver os seus próprios pensamentos em temas do seu interesse, ou seja, uma “terapia para saudáveis”. 
 
     Ainda na década de 90 popularizam-se em França os Cafés Filosóficos e alarga-se a prática filosófica, ligada quer à Filosofia para Crianças quer ao Aconselhamento Filosófico, a nível individual e a nível de grupo.
 
     Também em meados dos anos 90, a obra “O mundo de Sofia”, do norueguês Jostein Gaarder, contribuíu grandemente para divulgar a história da filosofia ocidental, tornando-a acessível a um público muito diferenciado.
     Seguem-se entretanto numerosas obras de divulgação com o objectivo de trazer a filosofia para o nível do quotidiano, tornando-a um instrumento útil para a compreensão da realidade. 
 
     Mas foi Louis Marinoff, que ao escrever em 1999 “Mais Platão, menos Prozac” (que se tornou rapidamente num best-seller em todo o mundo), traz a filosofia definitivamente para o domínio do grande público.
     Este filósofo americano, que recentemente esteve em Portugal e cujas ideias têm sido objecto quer de admiração quer de polémica, é neste momento uma referência incontornável no domínio da filosofia aplicada.
     Como ele a certa altura da sua obra nos diz, há pessoas que apenas precisam “de diálogo, não de diagnósticos (...) A verdade é que a filosofia está ao alcance da maioria das pessoas. A pesquisa filosófica nem sequer exige um filósofo diplomado ou com habilitação cerificada, só exige que as questões sejam abordadas em termos filosóficos”.
     A sua obra mais recente – “As grandes questões da vida – como a filosofia pode mudar o nosso dia a dia” é uma obra indispensável para quem quiser encontrar alternativas para a resolução dos problemas mais comuns.
     Assim a filosofia possa contribuir para o melhoramento da nossa vida, porque infelizmente, como nos diz Matthew Lipman “a filosofia chega a poucas pessoas e mesmo a essas tarde demais”.
 
 
                                                                            Mª Luísa  Abreu
 (Coordenadora do grupo de Filosofia da ESPAV) 
publicado por rolandoa às 21:12

link do post | favorito
Quarta-feira, 15 de Novembro de 2006

16 Novembro. Dia Mundial da Filosofia

Decretado pela UNESCO, 16 de Novembro comemora-se o dia Mundial da Filosofia. Um dia para reflectir e identificar a Filosofia como saber crítico e problematizador. Tão urgente para pensar questões éticas, estéticas, políticas e metafísicas, A Filosofia tem também um dia que lhe é dedicado possibilitando a organização de debates, exposições públicas de argumentos, etc...
publicado por rolandoa às 19:27

link do post | favorito
Terça-feira, 14 de Novembro de 2006

Aprender Ciência com o Mocho

Para aprender um pouco mais de ciência e fazer algumas simulações de experiências científicas. O Mocho, um site sobre ciência.

visitar em: www.mocho.pt

Bom proveito e boas experiências científicas.

Rolando Almeida

publicado por rolandoa às 21:10

link do post | favorito

Filosofia Moral: David Hume versus Immanuel Kant

Daqui decorre, por exemplo ( e este é um argumento fundamental no Tratado da Natureza Humana, Livro III), que, na medida em que a moral nos move à acção (Hume pensa que ela excita paixões e produz ou impede acções), ela não pode ser derivada da Razão. Na prática isto significa que para Hume nem as “regras” da moral são conclusões da Razão nem a “virtude” é concebível como conformidade com esta.
 
p.109
 
     Por mais vilipendiada que a posição humeana seja, nomeadamente devido ao que parece ser a sua natural associação com o relativismo moral, é preciso notar que a tese central de Hume segundo a qual só uma paixão contraria, equilibra ou suporta outra paixão não é assim tão invulgar no pensamento ético.
 
p.111
 
     Mas por que razão necessitará Kant de afastar os desejos para ter uma boa teoria da motivação para a acção? A razão é que Kant considera todos os desejos como sendo, precisamente, “sensíveis” e “contaminados” e fá-lo em grande parte porque os vê como sendo não apenas individuais mas também egoístas, i. e., desejos de prazer pessoal.
 
     Para Kant, os desejos são basicamente desejo de prazer pessoal e é precisamente isso que há de errado com eles. É por isso que para Kant uma coisa é a motivação por desejos, outra coisa totalmente diferente e muito mais importante, é a motivação pela Razão, que merecerá o nome mais nobre de “vontade”.
 
     Assim, para Kant, não importa, por exemplo, que as inclinações empíricas dos agentes, os seus desejos, sejam generosos ou não, não importa a diferença entre o desejo de fazer algo de amável a alguém e o desejo de matar essa pessoa. Ambos são inclinações subjectivas, logo não podem ser fonte de lei. Um sentimento que inclina é uma mola motivacional de natureza totalmente diferente da boa mola motivacional que é a Razão.
 
p.112-113
 
 
 
Sofia Miguens, Racionalidade, Campo das Letras, col. Campo da Filosofia, Porto, 2004
publicado por rolandoa às 11:22

link do post | favorito
Sábado, 11 de Novembro de 2006

A Filosofia analisa o desastre no ensino da matemática

Recomendo a leitura deste livro por duas razões principais:

1ª - O problema no ensino e insucesso a matemática prepassa todo o sistema educativo português.

2ª - Este livro é uma súmula de ensaios de especialistas de formações diversas. O primeiro ensaio é de Anthony O`Hear, filósofo da Universidade de Buckingham.

Quando estão em análise problemas como os educativos reclama-se a presença da filosofia como base de sustento de argumentos que possam indicar soluções mais eficazes. O mais curioso é que, de todos os especialistas requisitados para esta obra coordenada por Nuno Crato, somente o filósofo não é português. Razão para questionar onde param os filósofos portugueses e onde está a interdisciplinaridade da filosofia em portugal? Não terão os filósofos portugueses um argumento sobre o assunto? E assuntos como o ambiente, aborto, eutanásia, direitos dos animais, distribuição da riqueza? Há na verdade um deserto de intervenção no espaço público em Portugal dos filósofos nas questões que são, essencialmente, de natureza filosófica. É urgente mudar esta tendência para prestigiar a disciplina com o seu lugar próprio, tal como Sócrates o fez na sociedade grega.


Nuno Crato (coord.), Desastre no Ensino da Matemática, Como Recuperar o Tempo Perdido, Gradiva, 2006

 

Rolando Almeida

publicado por rolandoa às 12:46

link do post | favorito
Sexta-feira, 10 de Novembro de 2006

O Modelo do Pensamento Consequente

O pensamento consequente é o pensamento fundamentado. Um pensamento é consequente quando se baseia em razões e retira correctamente consequências das razões em que se baseia. Por exemplo, uma pessoa pode pensar que Deus existe por achar que, se não existisse, a vida não faria sentido. Ou pode pensar que o aborto é um mal por achar que matar um feto é um assassínio. Esta actividade de retirar consequências de ideias pode ser bem ou mal executada.
    A lógica permite determinar que consequências se retiram correctamente das nossas ideias, e que consequências só aparentemente se retiram delas. Uma demonstração lógica é um modelo abstracto e simplificado do pensamento consequente, como veremos. Ao tomar consciência das diversas formas através das quais se pode errar ao pensar mesmo nos casos simplificados da lógica, adquire-se não apenas rigor mas também cautela e maturidade. Aprende-se a não aceitar as nossas ideias e os nossos argumentos sem uma reflexão ponderada, pois percebemos que nos podemos enganar e pensar, retirando consequências que não podem ser retiradas, ou não nos dando conta de que das nossas ideias se podem retirar consequências falsas – o que mostra que as nossas ideias são falsas.
        Por exemplo, alguém poderá defender a seguinte ideia, hoje em dia muito popular: «Todas as verdades são relativas». Sem formação lógica, acontece duas coisas a essa pessoa. Em primeiro lugar, não se percebe que a sua ideia é auto-refutante – isto é, não se percebe que a verdade da sua ideia implica a sua falsidade. Se todas as verdades são relativas, também esta é uma verdade relativa; mas ser uma verdade relativa significa que para algumas pessoas, ou em algumas circunstâncias, ou para algumas comunidades, esta ideia é falsa. Logo, se for verdade que todas as verdades são relativas, é falso em algumas circunstâncias que todas as verdades são relativas. Em segundo lugar, não só essa pessoa não se apercebe desta dificuldade lógica elementar a que tem de responder, como sente que quem lhe apresenta este contra-argumento a está a enganar. Como o contra-argumento se baseia num raciocínio ligeiramente complexo e a pessoa em causa não tem instrumentos para avaliar a sua correcção, sente que está a ser enganada. O resultado desta situação é que essa pessoa não está equipada para discutir ideias filosóficas – tudo o que consegue fazer é dar voz aos preconceitos do seu tempo, sem ter capacidade crítica para se distanciar das suas próprias ideias e procurar responder aos argumentos que se levantam contra elas. Nestas circunstâncias, o estudo da filosofia deixa de conduzir à liberdade do pensamento crítico, e torna-se apenas um meio para sustentar preconceitos com nomes sonantes de filósofos e palavras complicadas.
 
Desidério Murcho, O Lugar da Lógica na Filosofia, Plátano p.30-31
publicado por rolandoa às 01:09

link do post | favorito
Terça-feira, 7 de Novembro de 2006

Aborto? Que argumentos pensar? Que decidir?

Numa altura em que vai a referendo Nacional a questão do aborto, nada melhor que estar um pouco informado sobre um problema que, antes de ser político, prepassa a moralidade. Para tal deixo duas referências que, certamente, colocarão à prova todos os nossos argumentos sobre a questão.
 
O embrião, o feto subsequente, a criança gravemente deficiente mental e até mesmo o recém-nascido, todos eles são indiscutivelmente membros da espécie Homo Sapiens, mas nenhum deles é autoconsciente nem possui um sentido do futuro ou a capacidade de se relacionar com os outros. Logo, a escolha entre os dois sentidos pode ter implicações importantes para a forma como respondemos a perguntas como «será que o feto é um ser humano?»
 
Peter Singer, Ética Prática, Gradiva
 
 
Será que abortar um feto é como assassinar um de nós? Este é o problema ético do aborto. Esta obra reúne seis ensaios não seguindo uma só resposta possível. Nele há argumentos contra e a favor do aborto.
 
A Ética do Aborto, org. e tradução de Pedro Galvão, Dinalivro, 2005
 
Incluí:
 
Uma defesa do aborto – Judith Jarvis Thomson
O direito da mulher a controlar o seu corpo? – Stephen D. Schwarz
Aborto e infanticídio – Michael Tooley
O argumento da regra de ouro contra o aborto – Harry Gensler
A razão da imoralidade do aborto – Don Marquis
O argumento do futuro-como-o-nosso – David Boonin
publicado por rolandoa às 22:14

link do post | favorito
Segunda-feira, 6 de Novembro de 2006

O que é a validade?

  Dizemos frequentemente que uma ideia, uma pessoa ou uma iniciativa são válidas. Com isso queremos dizer que tal pessoa, tal ideia ou tal iniciativa são boas ou úteis, ou que têm um certo valor. Isso é o que acontece na linguagem comum. Em lógica e filosofia, porém, o termo «validade» tem um significado diferente e muito preciso, que já veremos qual é. Antes disso, há uma ideia que tem de ficar bem clara. Essa ideia é a da distinção entre verdade e validade; distinção fundamental em lógica e filosofia.

  De uma proposição dizemos que é verdadeira ou falsa. Mas de um argumento, que é formado por várias proposições, já não podemos dizer que é verdadeiro ou falso. Isso seria um erro enorme. Algumas pessoas pensam que se um argumento é um conjunto de proposições e como as proposições são verdadeiras ou falsas, assim também os argumentos podem ser verdadeiros ou falsos. Isso seria o mesmo que dizer que um conjunto de pessoas é alto porque é formado por pessoas altas. As pessoas podem ser altas ou baixas, mas os conjuntos (sejam eles de pessoas ou de outra coisa qualquer) não são altos nem baixos. Se, como se verá, o mesmo argumento pode conter proposições verdadeiras e falsas, por que razão afirmaríamos que esse argumento é verdadeiro em vez de falso, ou vice-versa? Aquilo que, primeiramente, nos interessa num argumento é saber se a conclusão se segue das premissas. No caso de isso acontecer estamos perante um argumento válido. Caso contrário, estamos perante um argumento inválido. O seguinte argumento é claramente válido:

Todos os espanhóis são toureiros.
Bill Clinton é espanhol.
Logo, Bill Clinton é toureiro.

  Ao analisar este argumento, a diferença entre verdade e validade torna-se clara. É fácil verificar que tanto as premissas como a conclusão são falsas. Contudo, a conclusão segue-se das premissas. Por isso o argumento é válido. Falamos de verdade e falsidade quando referimos as premissas e a conclusão e falamos de validade ou invalidade quando referimos o próprio argumento. Veja-se agora o seguinte argumento claramente inválido:

Todos os portugueses são europeus.
Luís Figo é europeu.
Logo, Luís Figo é português.

  É muito fácil verificar que se trata de um argumento inválido, bastando substituir o nome de Luís Figo por outro nome como, digamos, Tony Blair, mas mantendo tudo o resto. E, apesar de ser um argumento inválido, todas as proposições que o constituem são verdadeiras. Só que a conclusão não é sustentada pelas premissas.

  Mais uma vez se diz que um argumento é válido ou inválido consoante a sua conclusão se segue ou não das premissas, sejam elas verdadeiras ou falsas. Mas esta é ainda uma forma imprecisa de dizer o que é a validade. Existe, contudo, uma definição explícita de «argumento válido». Assim, diz-se que «um argumento é válido se, e só se, é logicamente impossível ter premissas verdadeiras e conclusão falsa». Sabemos agora exactamente o que procurar num argumento para saber se é válido ou não. Tudo pode acontecer com um argumento válido, menos uma coisa: ter premissas verdadeiras e conclusão falsa. Mas isto não significa que o argumento é válido desde que não tenha premissas verdadeiras e conclusão falsa. Não basta que não tenha as premissas verdadeiras e a conclusão falsa; é necessário que isso seja impossível de acontecer. Repare-se no meu último exemplo: não acontece ele ter as premissas verdadeiras e a conclusão falsa, até porque premissas e conclusão são todas verdadeiras. Mas se no mesmo argumento substituirmos, como atrás sugeri, o nome de Luís Figo pelo de Tony Blair, o que acontece? Acontece que as premissas continuam verdadeiras mas a conclusão é falsa. E essa é a única coisa que não pode acontecer num argumento válido. Portanto, é inválido.

  Para tornar mais clara a noção de validade, podemos mesmo prescindir de qualquer nome, seja ele Luís Figo ou Tony Blair, e construir um argumento com a seguinte forma:

Todo o A é B.
c é A.
Logo, c é B.

  Seja o que for que A, B e c signifiquem, este argumento é claramente válido. Admitindo que as premissas são verdadeiras, a sua conclusão não pode ser falsa. Mas como sabemos que este argumento é válido se não sabemos ainda o que significam A, B e c? Sabemos isso porque a validade de um argumento não depende daquilo que nele se afirma, isto é, do seu conteúdo, mas da sua forma lógica. Para sabermos se um argumento é válido nada mais temos de fazer senão atender à forma como está estruturado. É por isso que um argumento pode ser válido mesmo que nele se afirmem as coisas mais inverosímeis do mundo. Um bom exemplo disso é o seguinte:

Se as bananas têm asas, o ouro é um fruto seco.
Acontece que as bananas têm asas.
Logo, o ouro é um fruto seco.

  Também aqui a conclusão terá de ser verdadeira, caso as premissas o sejam. Contudo, dificilmente alguém estaria disposto a aceitar um argumento destes. O que acontece é que não é suficiente um argumento ser válido para termos de o aceitar, mostrando assim que nem todos os argumentos válidos são bons. Não estamos interessados em aceitar a conclusão de um argumento válido quando essa conclusão é inferida de falsidades. Queremos também que um argumento seja sólido. Ou seja, que, além de ser válido, tenha premissas verdadeiras. Assim, se um argumento for válido e tiver premissas verdadeiras, somos, racionalmente, obrigados a aceitar a sua conclusão. Se não quisermos aceitar a conclusão de um argumento válido, só nos resta, então, mostrar que alguma das premissas é falsa.

  Pelo que disse até aqui, dir-se-ia que apenas existem argumentos válidos e inválidos. E que os inválidos, ao contrário dos válidos, apresentam uma forma que não permite preservar sempre na conclusão a verdade das premissas. Assim, a lógica seria apenas o estudo da forma dos argumentos, ocupando-se exclusivamente dos argumentos válidos. Só que isso não corresponde à verdade. Há outros tipos de argumentos cuja aceitabilidade não depende da forma que apresentam. Tais argumentos fazem, por isso, parte da chamada «lógica informal».

Aires Almeida

Nota: este texto foi publicado com autorização do autor e é um excerto de um artigo mais extenso que pode ser lido em www.criticanarede.com , secção da Lógica.

publicado por rolandoa às 22:49

link do post | favorito

Destaque do Blog na Página da Sociedade Portuguesa de Filosofia

 

Destaque do Blog, A Filosofia No Ensino Secundário, na página da Sociedade Portuguesa de Filosofia em:

http://www.spfil.pt/ligacoes.html

Rolando Almeida

publicado por rolandoa às 18:43

link do post | favorito
Sábado, 4 de Novembro de 2006

Zarcosofia - Dicionário de Filosofia

Alunos,

Está a ser concebido o nosso Dicionário de Filosofia no espaço Zarcosofia http://www01.madeira-edu.pt/estabensino/ebsgz/zarcosofia/zarcosofia.htm . Com este dicionário minimizamos as dúvidas que aparecem relativamente a muitos conceitos e filósofos estudados. A ideia é que sejam os alunos a realizar as descobertas para se incluirem no dicionário. Já tem chegado muitos conceitos que vão ser o mais rapidamente remetidos para o dicionário. Ainda assim lembro que toda a vossa colaboração, empenho e trabalho é indispensável. O trabalho de um só não permite engrandecer esta pequenina obra que, quem sabe, com uns melhoramentos, até dará origem a uma publicação em papel para os futuros alunos usarem.

Lembro que se quiserem ver trabalhos vossos publicados neste blog, enviem-nos para mim.

Está lançado o desafio.

Fico à espera da vossa colaboração espontânea.

Todos os trabalhos devem ser enviados para rolandoa@netmadeira.com

Rolando Almeida

publicado por rolandoa às 14:05

link do post | favorito

Política Educativa e Filosofia

A nova página da Sociedade Portuguesa de Filosofia sobre as políticas educativas:

Toda a documentação relevante sobre os programas, as orientações de leccionação, a avaliação das aprendizagens, a formação de professores, os manuais escolares e a legislação mais recente que enquadra o ensino da Filosofia.

Inclui os dados estatísticos relativos aos exames nacionais de Filosofia de 2006.

LINK: http://www.spfil.pt/poledu.html

publicado por rolandoa às 02:57

link do post | favorito
Quinta-feira, 2 de Novembro de 2006

Hannah Arendt - As Origens do Totalitarismo

Escrita em 1951, esta obra trouxe um contributo fundamental para a compreensão do totalitarismo, tanto no caso soviético com a luta de classes, como no nazismo com a luta de raças. Hannah Arendt apresenta um quadro completo da organização totalitária, a sua implantação, a propaganda, o modo como manipula as massas e se apropria do Estado com vista à dominação total. A sua crítica da razão governamental totalitária ainda hoje é pertinente, numa época onde vigoram regimes com estas características e, mais do que isso, num terreno onde a democracia liberal não afastou por completo os vestígios de uma ideologia de terror que torna o homem supérfluo. Com a sua lúcida análise, percebemos por que motivo o campo [de concentração] se encontra no âmago do totalitarismo.
No final Arendt deixa uma «profecia» desconcertante: «As soluções totalitárias podem muito bem sobreviver à queda dos regimes totalitários sob a forma de forte tentação que surgirá sempre que pareça impossível aliviar a miséria política, social ou económica de um modo digno do homem.»
O último cap. da segunda parte intitulado “O declínio do Estado-nação e o fim dos Direitos do Homem” mantém toda a actualidade ao tratar do problema dos apátridas e dos refugiados, dos «povos sem Estado», fora de todo o sistema legal e expostos à arbitrariedade da polícia. São estes princípios de exclusão da comunidade que, aliados a uma subordinação obrigatória à vontade de um Chefe, tornaram possível o totalitarismo. Num presente como o nosso, com genocídios e acumulação de refugiados, é a Arendt que teremos ainda de voltar como fonte esclarecedora dos grandes fenómenos da filosofia política. Esta reedição que acaba de sair com a chancela da D. Quixote tem a vantagem de reunir os 3 volumes num só.
José Caselas
Professor de Filosofia - Lisboa
publicado por rolandoa às 23:03

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS