Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

O argumento de S. Anselmo

Ao reflectir sobre o conceito de Deus, Santo Anselmo define-o como aquele «ser maior do que o qual nada pode ser pensado». Daqui, Santo Anselmo conclui que Deus existe, uma vez que se não existisse, não seria aquele ser maior do que o qual nada pode ser pensado. Este é um argumento por redução ao absurdo. Vejamos em mais pormenor como funciona.

 

            A primeira distinção importante a ter em conta para compreender o argumento é a diferença entre existir no pensamento e existir na realidade. Exactamente o que significa dizer que algo existe no pensamento? Todas aquelas coisas que podem ser por nós pensadas existem, num certo sentido, no pensamento: existem enquanto objectos do pensamento. Por exemplo, quando pensamos no Pai Natal, ele é o objecto do nosso pensamento e, nesse sentido, o Pai Natal existe, mesmo que não exista na realidade. Deste modo, há coisas que existem apenas no pensamento, pois são objecto do nosso pensamento, sem existirem de facto.

 

 

·         Uma coisa existe no pensamento quando pensamos nela.

·         Uma coisa existe unicamente no pensamento quando pensamos nela e não existe na realidade.

 

            Há coisas que, além de existirem no pensamento, existem também na realidade. Por exemplo, o escritor português José Saramago tanto existe no pensamento como na realidade.

            Vejamos agora o segundo aspecto importante do argumento ontológico. S. Anselmo define Deus como «o ser maior do que o qual nada pode ser pensado». Mas em que sentido é um ser ou um objecto maior do que outro? O que conta aqui não é a grandeza física, mas se um ser possui ou não mais qualidades do que outro. Por exemplo, o edifício Amoreiras é fisicamente maior do que a Torre de Belém, mas daí não se segue que este seja maior, no sentido de ter mais qualidades, do que a Torre de Belém. Qualidades que conferem grandeza a algo são coisas como a antiguidade, o valor histórico, a beleza, etc. No caso de pessoas, as qualidades que conferem grandeza são, segundo S. Anselmo, coisas como a bondade e a sabedoria. Uma pessoa mais bondosa e sábia do que outra é, neste sentido, maior ou superior à outra.

 

·         Um ser é maior do que outro se tem mais qualidades.

 

            Dizer que Deus é «o ser maior do que o qual nada pode ser pensado» é dizer que Deus é supremamente perfeito, ou seja, possui todas as qualidades.

            Vejamos agora como funciona o argumento ontológico. O argumento tem a seguinte estrutura:

 

Premissa 1:           Deus é o ser maior do que o qual nada pode ser pensado.

Premissa 2:           Deus existe apenas no pensamento.

Premissa 3:           Se Deus existe apenas no pensamento, então podemos conceber um ser maior do que o qual nada pode ser pensado, nomeadamente, um ser que exista também na realidade.

Conclusão:            Logo, é falso que Deus exista apenas no pensamento. Isto é, Deus existe também na realidade. Ou seja, Deus existe.

 

            A premissa 1 dá-nos a definição de Deus. A premissa 2 é a hipótese a ser refutada. Se fosse verdade que Deus existisse apenas no pensamento, como nos diz a premissa 2, então haveria algo maior que Deus, o que contraria a premissa 1. A ideia é que a existência é uma perfeição. Ou seja, um ser que existe na realidade é mais perfeito ou maior do que um ser que não existe na realidade. Por exemplo, imagine-se duas casas igualmente perfeitas. Imagine-se que uma existe apenas na cabeça do arquitecto e que a outra existe também na realidade. A que existe na realidade é por isso melhor do que a que existe apenas no pensamento do arquitecto. Assim, dado que Deus é supremamente perfeito, tem igualmente de existir na realidade. Logo, Deus existe.

            Será que este argumento estabelece a existência de Deus?

 

V/A, A Arte de pensar, 10º Ano, 2007, Didactica

 

publicado por rolandoa às 13:36

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS