Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006

Sobre o conhecimento

Podemos reconhecer o valor da experiência mental lembrando-nos de quão «realista» a realidade virtual se pode tornar. Eis uma variante actualizada da experiência mental. Imagine um progresso científico que permita a um cientista louco extrair-lhe o cérebro e depois preservá-lo num recipiente de produtos químicos que o mantêm a funcionar normalmente. Imagine que o cientista pode enviar dados de entrada, ou inputs, para os canais normais de informação (o nervo óptico, os nervos que transmitem sensações de audição, tacto e paladar). Se tiver boa índole, o cientista fornece informação como se o cérebro estivesse alojado num corpo normal e a viver uma vida razoável: comendo, jogando golf ou vendo televisão. Haveria retorno, ou feedback, pelo que, por exemplo, se o leitor prodizisse um certo «dado de saída», ou output, equivalente a levantar a mão, teria um «retorno», ou feedback , como se a sua mão tivesse sido levantada. O cientista colocou-o numa realidade virtual, pelo que a sua mão virtual se ergue. E, ao que parece, o leitor não teria maneira de saber que isto tinha acontecido, uma vez que para si parecia que a vida normal continuava.
     A versão que o próprio Descartes apresentou desta experiência mental não refere cérebros, nem tanques. De facto, se pensar no assunto, verá que ele não necessita de o fazer. As nossas convicções acerca do cérebro e do seu papel no que respeita a gerar experiências conscientes são convicções acerca de como o mundo funciona. Por isso, talvez também elas sejam o resultado dos dados de entrada, ou inputs, produzidos pelo génio maligno! Talvez o génio não tenha tido necessidade de sujar as mãos (?) mexendo em tanques. O génio limita-se a produzir dados de entrada, ou inputs, da maneira apropriada à realidade real – seja essa maneira o que for. Os próprios cérebros e nervos pertencem à realidade virtual.
 
 
Simon Blackburn, Pense, Uma Introdução à Filosofia, Gradiva, 2001, pp.34-35
publicado por rolandoa às 15:42

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS