Terça-feira, 3 de Março de 2009

Página de filosofia da escola Artur Gonçalves – Torres Novas

Sem título Ando sempre em busca de novos locais de internet que divulguem a filosofia, nem que seja para um circuito muito pequeno, mas que sirvam de exemplo para outros fazerem o mesmo. Porquê? Porque a melhor coisa que temos a fazer é mostrar a filosofia às pessoas que não a sabem, divulgando-a da forma mais plausível com os respectivos upgrades, sem atavismos e preconceitos. E em boa verdade hoje em dia existem cada vez mais espaços interessantes e com um pouco de tempo, a cada dia que passa, descubro um novo espaço. Ainda bem. Recordo bem que há poucos anos esta realidade resumia-se a 3 ou 4 sites. Hoje são muitos os blogs e sites. E precisamos de muitos mais. Esta página apanhei-a sem contar, a página de filosofia da escola Artur Gonçalves, em Torres Novas. É um site simples e eficaz, navega-se muito bem e nota-se que ainda anda a ser preenchido, mas tem já uma personalidade vincada. Este blog também pertence à colecção de links, o que agradeço. Queria endereçar os parabéns aos colegas autores pois têm aqui um trabalho muito bem feito. Vale a pena visitar. Clicar na imagem para aceder. E já agora, todos os colegas que desejem ver as suas páginas e trabalhos divulgados aqui, mandem um alerta.

publicado por rolandoa às 02:47

link do post | favorito
11 comentários:
De Marta Isidoro a 3 de Março de 2009 às 13:13
Rolando, explique-me por favor: por que razão escreve "Por quê?".E por que escreve: "hoje em dia existe cada vez mais espaços interessantes"? O verbo já não concorda com o sujeito? E mais. "E precisámos de muitos mais". Já não precisamos?
De rolandoa a 3 de Março de 2009 às 15:36
Marta,
A resposta é simples: porque não sei escrever! É que eu tenho este blog só para fazer vénias ao D Desidério e Cia., não para escrever bem. De todo o modo para responder à sua questão remeto para este link e para a leitura dos respectivos comentários:
http://dererummundi.blogspot.com/2008/02/por-que-no-conhecemos-dimenso-do.html?showComment=1203692820000

Em relação ao "existem" e ao "precisamos" tem razão, estão errados e nem me dava conta de tal.
Agradeço as correcções atentas
abraço
De rolandoa a 3 de Março de 2009 às 15:40
Xiça e também tem razão no "por quê". Só se fosse "por que" é que estaria correcto. Pois só existe 1) porque, 2) por que e 3) porquê.
obrigado uma vez mais.
De rolandoa a 3 de Março de 2009 às 15:45
A confusão é esta: "porquê" é a mesma coisa que "por que" só que a primeira é exclusiva da interrogação. O porquê é sempre interrogativo ao passo que o por que pode ser ou não interrogativo. Nem se percebe muito bem a razão, mas a língua tuga é mesmo um atraso de vida a complicar onde pode ser simples. Não deixe de ler o link que enviei que envolve uma interessante discussão sobre isto.
De rolandoa a 3 de Março de 2009 às 17:36
bem, pensando um pouco melhor voltei a falhar. Por quê, também pode ser uma questão, não há mal algum. Se eu disser: troquei a minha bicicleta por outra coisa. Por quê?. Hehe. Não sou linguísta, ando às apalpadelas :-)
De rosa oliveira a 3 de Março de 2009 às 20:15
Olá Rolando...

talvez já tenha chegado informação à sua escola...
http://jornadascienciaspxo.com.sapo.pt/index.htm


ainda assim, fica...


p.s.: escrevi em minúsculas porque... porque... ora, por que me apeteceu.
Abraço
De Marta Isidoro a 4 de Março de 2009 às 18:04
Rolando,

É interessante essa coisa de responder a um reparo ortográfico com o argumento dos analíticos perseguidos. Gostei. Gostei sobretudo da clareza com que o expôs. De tal forma foi claro, que me abstenho de contra-argumentar.
Vejo que a questão do por que/porque já foi por si estudada, mas aconselhava-o a estudá-la de novo. Talvez em gramáticas, prontuários ou mesmo o Ciberdúvidas. As caixas de comentários não serão os melhores lugares para ir buscar argumentos de autoridade e por vezes baralham um pouco as coisas.

Se há coisa que persigo com algum afinco é o rigor. E esse, na palavra escrita, começa precisamente por saber cuidar das palavras. Parece-me um bom e necessário ponto de partida.
De rolandoa a 4 de Março de 2009 às 18:47
Marta,
Seguimos caminhos diferentes. Eu gosto mais da balda, da psicofoda e afins.
Em relação ao por que, desconheço o que pensa. Já tenho a lição estudada. Se tiver algo mais a acrescentar faça-o.
Eu não persigo nem sou perseguido e estou-me nas tintas para as perseguições que fala. Mas também deixe que lhe diga: para quem persegue o rigor com afinco olhe que manda umas piadolas bastante vagas que não condiz nada com o auto retrato que faz.
De Marta Isidoro a 5 de Março de 2009 às 00:22
1) Se o Rolando se preenche com baldas e psicofodas é assunto seu. Nada tenho a dizer em relação aos caminhos dos outros.
2) No que respeita ao porque/por que, nada tenho a acrescentar a alguém que já estudou afincadamente o tema.
3) Quem abordou o assunto das perseguições, ainda que de forma mais ou menos velada, foi o Rolando. Daí que me espante um bocadinho com esse “estar nas tintas”…
4) Não me lembro das piadolas que diz que mandei. Se assim o entender, pode esclarecer-me.
5) “olhe que manda umas piadolas bastante vagas que não condiz nada com o auto retrato que faz”. O que é que não condiz? As piadolas? Mas essas não deviam condizer no plural? Ou falta ali um artigo definido? E condiz o quê com o quê? Com auto-retratos? Ou serão auto retratos? Quiçá autorretratos?
De rolandoa a 5 de Março de 2009 às 00:36
Cara Marta,
Vamos lá às dívidas de mau pagador. Dou-lhe uma citação:

"De Marta Isidoro a 20 de Fevereiro de 2009 às 17:50
Tudo maravilhoso, do melhor que se tem visto... Ou não fosse o livro do D. Desidério ."

Todos nós temos os nossos defeitos, eu na escrita e a Marta e argumentar, de maneira que não percebi bem a ideia do seu comentário, mas tudo me levou a crer que não foi propriamente do mais refinado gosto em apurar rigor.
Na altura do comentário não respondeu mais, não percebi bem a razão.
De todo o modo aproveito a altura para a convidar para revisora literária do blog. É que muitas das vezes não é sem algum sacríficio que o escrevo, num eeepc, nos intervalos das aulas. E é bem verdade que a qualidade cai um pouco e o seu contributo seria precioso.
De resto isto é um fait divers, mas a verdade, como já o disse algumas vezes, é que eu também tenho os meus dias e alguns limites impostos à paciência.
De rolandoa a 5 de Março de 2009 às 00:38
"2) No que respeita ao porque/por que, nada tenho a acrescentar a alguém que já estudou afincadamente o tema."

Mas também nunca disse seja o que for sobre o assunto, que quer que lhe faça?

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS