Sábado, 18 de Novembro de 2006

Só sei que não sei nada?

Que tal pegar em 30 máximas famosas da filosofia e questionar o que é que podemos fazer com elas na nossa vida quotidiana? Esta é a proposta de Solo sé que no sé nada?, obra conjunta de Manuel Guell e Josep Muñoz. Não se tratando de uma edição propriamente recente (é de Janeiro de 2001 a reimpressão para segunda edição que tenho em mãos), com efeito, merece destaque pela simplicidade e originalidade com que algumas máximas são escrutinadas.
     O livro está dividido em 30 capítulos, cada um deles referindo uma máxima de um filósofo e, no final de cada capítulo, vem um manual de instruções. Esta obra deve ler-se sempre tendo em atenção o lugar irónico com que, na vida, podemos usar a cultura filosófica. A máxima explorada de Aristóteles é a de que “todo o ser humano deseja por natureza saber”. Não é sem a tal ironia que, nas instruções de uso, os autores referem “Os médicos, os maestros, os cientistas, os psicólogos, os economistas confirmam-nos, dia após dia, com a sua prática profissional, a premissa contrária: toda a gente deseja por natureza não saber” (p.75). Prossegue: “Não queremos saber nem sequer os limites da nossa ignorância, não queremos saber nem o que não sabemos…., de que vamos viver, de que vamos morrer, o que desconhecemos, qual o estado da nossa saúde, a quantia disponível em saldo bancário, o tamanho do buraco na camada de ozono ou a importância da nossa neurose.” (p.75). Defendem os autores que despertar o leitor com uma boa dose de optimismo aristotélico é sempre recomendável, o mínimo para justificar a curiosidade, ainda que seja somente intelectual, uma espécie de, digo, evitar os excessos de uma euforia perpétua, na expressão de Pascal Bruckner.
     Solo sé que no sé nada? resulta num descomplexado corolário de algumas das mais brilhantes prerrogativas da história da filosofia, para além de constituir uma pequena e bem contada história da filosofia, desde Platão, Séneca, Kant, Heidegger, Bertrand Russel ou Karl Popper.
 
Manuel Guell y Josep Muñoz, Solo sé que no sé nada?, 2ª ediç., Ariel, Barcelona, 2001
publicado por rolandoa às 16:53

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS