Sábado, 4 de Outubro de 2008

A mania dos manuais

9780415458214 Posso ser acusado de ter a mania dos manuais. Falo muito deles, é verdade. Mas a realidade é que a minha profissão assim o exige. Para quem gosta de ensinar, os manuais podem ocupar uma boa parte do tempo de planificação de aulas. De um lado o manual, do outro o programa da disciplina, em cima, a planificação de escola e ainda um espaço para um caderno ou PC para tirar notas, organizar esquemas, enfim, para todo o trabalho que implica pensar uma aula. É no percurso destas tarefas que nos damos conta dos bons e dos maus manuais. Há pouco estava a ver o powerpoint que resume a comunicação de Tomás Carneiro sobre o curso de pensamento crítico para jovens no encontro nacional de professores de filosofia deste ano e deparei-me com referências ao livro de Alec Fisher, critical thinking. Gosto especialmente deste livro e não me importaria nada de adoptar como manual. De repente ocorre-me a ideia de tentar descobrir qual a razão que faz com traduzamos quase tudo o que queremos estudar, mas não o fazemos com manuais escolares?

Rolando Almeida

Dava-me imenso jeito poder optar, por exemplo, pelo critical thinking de Alec Fisher em vez de, imagine-se, do Arte de Pensar para ensinar filosofia (mesmo tendo em atenção que o critical thinking é uma área mais transversal que a própria filosofia). Se o tivesse traduzido e o pudesse adoptar para as minhas aulas, bastaria pedir ao livreiro com a mesma antecedência com que se pedem os manuais para os mandar imprimir. Como se trata de um livro sem grandes adornos, mas de grande conteúdo, custaria qualquer coisa como uns 10€ a unidade, isto se o preço dos manuais pudesse não ser combinado, como acontece actualmente. Há pois! O programa… então e o critical thinking lá cumpre o programa de filosofia nacional? Pois não cumpre. Não fala da dimensão estética, religiosa, do sagrado e do profano, do lugar da filosofia. Bem, tenho de reconhecer que se trata de uma óbvia limitação e que a minha sugestão é algo patética, pois como eu gostaria de ensinar pelo Alec Fisher, outro professor poderia querer ensinar pelo Lou Marinoff e o caldo estaria entornado, com um “pior a emenda que o soneto”. Pronto, aqui está uma razão especial pela qual não dá para traduzir manuais e temos de os produzir cá dentro. Ok, é uma boa opção. Nada a opor. Mas não deixa de estar aqui um sino no ouvido a alertar de algo que soa muito mal nesta história. É que de repente temos autores que conseguem lançar 3 ou 4 manuais em períodos de 4, 5 anos, mas que nunca publicaram nada de nada além de manuais. Isto soa mal porque sugere que afinal de contas temos bons autores de manuais, mas incapazes de publicar boas obras introdutórias como por exemplo o livro de Alec Fisher (claro que felizmente existem 3 ou 4 excepções que servem com contra exemplo). Imagine-se que eu não pratico desporto, mas de repente mandam-me para os olímpicos porque não há mais ninguém para mandar e alguém terá de ir representar o país. Posso estar meio cinzento que já é tarde e tenho dormido pouco, mas isto não joga com o baralho todo. Além do mais há aqui outra coisa que me soa muito mal: é que a oferta de manuais é até excessiva. Só para o 10º ano, nas adopções de 2007 tínhamos cerca de 16 manuais diferentes para optar por apenas 1 e no 11º, nas adopções deste ano tínhamos cerca de 14. Trata-se de manuais que falam de filosofia da arte, filosofia da religião etc. mas se vou à livraria procurar um livro de filosofia da arte só encontro traduções, se quero um de filosofia da religião, pura e simplesmente não existe e livros dos autores de manuais contam-se por 3 dos 5 dedos da minha mão direita (sendo que cada dedo corresponde a 1 autor). Agora vou fazer uma daquelas comparações que irrita os meus queridos leitores mais agarrados ao mundo de há 40 anos atrás: se comparar esta realidade com a dos autores anglo saxões é exactamente o contrário que se passa. Autores como Stephen Law , Nigel Warburton ou Elliott Sober lançam manuais de filosofia que podem ser usados no ensino como o nosso secundário, mas lançam também outro tipo de obras, nomeadamente introduções. Isto até pode soar estranho, mas se eu quiser deixar de me armar em parvinho até sou capaz de explicar a razão por que isto acontece com os autores de língua inglesa e não com os nossos: porque eles sabem mais filosofia que nós, estudam-na melhor e, muito importante, tiveram cursos incomparavelmente melhor que os nossos que não só os incentivaram a trabalhar e publicar, como ensinaram como tal coisa se faz. E isto pode explicar muita da nossa incompetência a fazer manuais. A realidade é que lucraríamos muito mais se, pelo menos numa primeira fase, começássemos a ensinar e aprender com os manuais dos nossos colegas que se formaram em melhores universidades que nós, em vez de os destruir armados em carapaus de corrida sob o disfarce que são analíticos e sintéticos. Se fossem outra coisa qualquer era essa coisa que criticaríamos. Deixar esta atitude hipócrita é, no mínimo, ter responsabilidade com aquilo que se quer bem aprender para bem ensinar aos nossos estudantes.

Em vez de se gastar milhares de euros em tão maus manuais, em vez de se gastar tempo, paciência e dinheiro em patetadas como supervisão e certificação de manuais, seria uma proposta muito melhor adaptar os nossos programas aos manuais dos colegas de língua inglesa e usar esses manuais. Só este gesto faria mais pela qualidade do nosso ensino do que as mais recentes e contestadas reformas, do que aulas de substituição e quejandos que tal. Mas claro, enquanto não quisermos mudar uma palha teremos mesmo de aguentar talentos raros para fazer manuais, mas incapazes de escrever sequer uma crónica no jornaleco lá da aldeia. E assim continuaremos a viver num mundo bizarro que eu aqui chamo de “mundo da fantasia e ilusão”

publicado por rolandoa às 01:47

link do post | favorito
6 comentários:
De galrinho a 4 de Outubro de 2008 às 08:41
Pois, só de pensar no tempo que perco e na ginástica que faço para conseguir utilizar o manual adoptado na minha escola...

Para mim, e para os meus alunos seria muito melhor não ter nada que ter o que temos, mas, ao pensar no dinheiro que os pais gastaram, tenho mesmo de utilizar.

Em vez de ser uma ajuda o nosso manual é um travão.
De rolandoa a 4 de Outubro de 2008 às 09:18
Caro Galrinho,
Sei perfeitamente das dificuldades que levanta. O mais grave é que um mau manual prejudica imenso o nosso trabalho.
Abraço
De Logosfera a 7 de Outubro de 2008 às 15:01
Somos um espaço de divulgação dos textos filosóficos e seria interessante podermos conversar on line. Há cada vez mais espaços dedicados à Filosofia e ainda bem.
De rolandoa a 7 de Outubro de 2008 às 16:54
Olá,
Claro que sim. Já conhecia o vosso blog, mas entretanto estava em falta um destaque.
O meu endereço de messenger é:
rolandotavaresalmeida@hotmail.com
o do skype é:
rolandoalmeida
abraço
De Anónima a 20 de Outubro de 2008 às 20:26
Sou aluna de 10º ano de Ciências e Tecnologias, e grande parte dos meus manuas não são úteis.
São um cúmulo total, as matérias se estivessem sintetisadas seria muito mais fácil para nós os estudantes termos os dezanoves que tanto querem.
O mais intereçante são os livros de apoio que se compra nas livrarias, que são muito mais acessiveis e directos que um manual escolar!
Conclusão:
Fazem-nos pagar 40€ por um livro que não ajuda em nada, tem as matérias expostas de uma maneira tão complicada que até os professores têm dificuldade em entender.
Depois vamos ali à livraria e compramos um livro muito mais acessivel apenas por 20€.
O que é que nós alunos ou professores podemos pensar disso?
De rolandoa a 20 de Outubro de 2008 às 21:14
Cara anónima,
Não tem razão no que está a dizer. Há manuais bons e outros menos bons, uns mais úteis e outros nem tanto. E também não é verdade que os professores não entendam os manuais. Eu sou professor do ensino secundário e entendo muito bem qualquer manual da minha disciplina e o mesmo se passa com a esmagadora maioria dos meus colegas professores. Os livros não existem para tornar as coisas mais fáceis: isso é um mito dos estudantes, o mito de que tudo lhes deve ser facilitado. Mas, cara amiga, quem lhe facilita as coisas não a ajuda muito.
Atenção aos erros ortográficos e felicidades

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS