Sexta-feira, 22 de Agosto de 2008

Aprender com os erros

f007eh01 Sempre gostei dos livros de Fernando Savater. É talvez o espanhol que mais se empenha na divulgação da filosofia junto de um público mais amplo. E fá-lo com sabedoria, bom humor e rigor, que é o que mais se deseja. Tenho uma série de livros dele, tanto em traduções como originais e reservo-lhes um carinho especial talvez porque Savater, apesar de não ser um filósofo da mais alta gama, é um filósofo que se empenha e muito para divulgar a filosofia e isso vale, por vezes, muito mais do que meia dúzia de bons filósofos. E isto porque não concebo a ideia de que haja bons filósofos sem bons divulgadores de filosofia. Além do mais um bom divulgador da filosofia não é um fulano que vende um produto e o publicita. È um filósofo que fala de modo não técnico para pessoas comuns compreenderem problemas complexos. Ao ler recentemente um livro que comprei há já uns anos, deparo-me com um excelente artigo sobre os problemas que afectavam a filosofia no ensino escolar em Espanha. Devíamos aprender com os erros, apesar que, pelo menos por cá e actualmente a realidade é um pouco mais grave. O esvaziamento das matérias nos programas de ensino não é um problema que afecte só a filosofia. A matemática, a história, o ensino da língua não andam melhor. Em muitos casos, como o da língua portuguesa andam até bem pior. O problema é que a filosofia é uma disciplina do desconhecimento geral do público e, por essa razão, por muitos considerada dispensável. Quem melhor que nós, da filosofia, para mostrar que as pessoas que assim pensam estão erradas?

"A filosofia refere-se à actividade central dos seres humanos enquanto tal e, portanto, nenhuma educação pode evitá-la, nem sequer ensiná-la como uma tarefa empreendida por outros e que pode ser admirada com a participação do educando. A história da filosofia é já filosofia, actividade filosófica ou torna-se incompreensível; mas a filosofia não pode provir da mera história, tendo antes de converter-se me biografia de quem se aproxima dela, sob pena de se reduzir a um pedantismo ocioso e artificial, isto é, a um repertório de respeitáveis tecnicismos. Aliás, é esse pedantismo o culpado, em boa medida, da secundarização actual da disciplina de filosofia nos currículos escolares."

Fernando Savater, Livre Mente, Relógio D`Água, trad de Ana Mafalda Tello, 2000

publicado por rolandoa às 01:04

link do post | favorito

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS