Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

Ministério milagroso

fatima Mais uma tirada extra filosófica. Ocasionalmente não resisto a esta vontade de me armar em sociólogo pós modernaço e mandar a minha posta de pescada sobre notícias recentes, ainda que desvie o assunto principal do blog. Dá-me um ar de crítico clínico que toda a gente tem por estas bandas, com a  diferença que para o caso até sabemos bem quais as melhores soluções. O Ministério da Educação está feliz com os resultados a matemática e português nas provas de aferição, um verdadeiro sucesso que prova que não possuímos qualquer problema com o ensino e aprendizagem das matemáticas e até somos muito melhores que muitos outros países. O que é que isto tem a ver com a filosofia? Tem a ver porque resolve um dos maiores e mais abrasivos problemas filosóficos de sempre, da filosofia da religião, o problema da existência de deus. Os recentes resultados provam a existência de deus pois este Ministério conseguiu o que, em regra, se consegue resultado de muitas reformas consistentes, esforço e trabalho. Mas o nosso milagroso ministério da educação consegue resultados em um ano apenas porque deus existe e é grande e faz milagres. E eu já estou ansioso pelo próximo milagre, que consiste em fazer com que os alunos não vão fazer provas externas a par com outros países. Trabalho sério para quê se temos milagres na 5 de Outubro? Avé.

publicado por rolandoa às 10:22

link do post | favorito
1 comentário:
De Vitor Guerreiro a 19 de Junho de 2008 às 16:34
Não devemos cometer o erro de deixar confortavelmente ficar a crítica do que acontece a cargo dos sociólogos pós-modernaças, como se essa fosse a sua área por direito, um pouco como se pensa que a moral é o backyard dos teólogos e dos curas da aldeia. É preciso lembrar que a filosofia não são só os núcleos temáticos e as ferramentas da filosofia. Há também o que fazemos com essas ferramentas e, se são ferramentas, então servem para pensar nas coisas que acontecem, no mundo, na realidade. Por outras palavras: a realidade é o item mais interessante para qualquer filósofo digno do nome. A única razão pela qual queremos ferramentas filosóficas e conceitos e tudo isso é para as aplicar a alguma coisa, tal como temos martelos e chaves de porcas para fazer coisas e não pelo mero gozo de as ter dentro de uma caixa envernizada.

Se habituamos os pós-modernos à ideia de que a crítica social é a "área deles", então prestamos o mesmo mau serviço que os media prestam ao debate público quando convidam padres para discutir ética. É a mesma coisa. A crítica social e as discussões morais são muito mais a área do filósofo do que dos padres ou dos xamanes pós-modernaças do bel fraseado.

Nunca compreendi a ideia de que as discussões acerca do mundo não podem ser filosóficas ou que pelo menos não são tão filosóficas como o discurso acerca das ferramentas. A aplicação das ferramentas é tão ou mais filosófica que o discurso acerca delas. Isto nada tem a ver com a ideia de que fazemos aqui umas polémicas todas irreverentes e isso é automaticamente filosofia. Como é óbvio. A discussão do aborto ou da investigação com células estaminais ou a eutanásia, por exemplo, que muitos filósofos fazem. Não são rapsódias de crítica social, são exercícios filosóficos, na medida em que se emprega ferramentas filosóficas para pensar coisas importantes. A filosofia a sério está aqui. Tal como a metafísica a sério é pegar nas ferramentas para pensar acerca do tempo, da identidade, da substância, etc, e não apenas repetir o que alguém escreveu acerca disso. Aqui temos de ter cuidado para não repetir o que a filosofia continental faz, ou seja, encolhe-se de humildade perante a tarefa de pensar, porque isso é só "para os verdadeiros filósofos" e despende todo o esforço intelectual a fazer bibliografias, citações e notas de rodapé. Chega a um ponto que para os gajos as notas de rodapé é que são a filosofia.

Há que ter alguma falta de vergonha e não estar sempre a pedir desculpa por pensar pá. Se estivermos enganados, alguém nos lembrará desse pormenor e dirá por que razão pensa que estamos. É isso que a filosofia tem de tão bom.

Abraço

Comentar post

Rolando Almeida


pesquisar

 
Blog de divulgação da filosofia e do seu ensino no sistema de ensino português. O blog pretende constituir uma pequena introdução à filosofia e aos seus problemas, divulgando livros e iniciativas relacionadas com a filosofia e recorrendo a uma linguagem pouco técnica, simples e despretensiosa mas rigorosa.

Posts Recentes

NOVO ENDEREÇO: http://fil...

Nova religião digital

Problemas again

Escolha um título,...

A censura na nova religi&...

Filosofia na web – ...

Mais um “AQUI&rdquo...

Uma situaçã...

E?

Exigências para se ...

Arquivos

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Favoritos

Relação entre a filosofia...

Luta na filosofia ou redu...

A filosofia não é uma arm...

Argumentos dedutivos e nã...

16 de NOVEMBRO DE 2006, D...

PAGAR NA MESMA MOEDA

Um ponto de vista comum n...

DILEMA DE ÊUTIFRON

O que é a validade?

Nova Configuração no Blog

Sites Recomendados

hit counter
Clique aqui para entrar no grupo artedepensar
Clique para entrar no grupo artedepensar
Contacto via e-mail
AddThis Feed Button
RSS